segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Exposição: “Os velhos Carnavais do Floresta Clube” será aberta nesta terça-feira

A exposição fotográfica “Os velhos Carnavais do Floresta Clube”, organizada pelo Instituto Federal do Paraná (IFPR), em Foz do Iguaçu, será aberta nesta terça-feira, 1, 9h15, com a presença de alunos, professores, diretores e colaboradores da instituição.

As fotografias e materiais, que relembram os grandes bailes, ficarão expostos no saguão principal do IFPR até quinta-feira e poderão ser visitadas das 14h às 21h. São mais de 300 imagens, todas recolhidas nas dependências do clube.

Durante os três dias, os visitantes terão a oportunidade de participar da exposição identificando os personagens das fotografias e, ainda, registrando histórias curiosas vividas nos antigos carnavais.

A mostra faz parte do Projeto Ponto da Memória, coordenado pela professora de Geografia e História do IFPR, Roseli Bernardete Dahlem. Até o final de 2011 serão mais três exposições com os temas: Esporte, Festas Juninas e Bailes.

Lula, Dilma e a velha mídia, por Emir Sader

O esporte preferido da mídia é fazer comparações da Dilma com o Lula. Sem coragem para reconhecer que se chocaram contra o país – que deu a Lula 87% de apoio e apenas 4% de rejeição no final de um mandato que teve toda a velha mídia contra – essa mídia busca se recolocar, encontrar razões para não ser tão uniformemente opositora a tudo o que governo faz. O melhor atalho que encontraram é o de dizer que as coisas ruins, que criticavam, vinham do estilo do Lula, que Dilma deixaria de lado.

Juntam temas de política exterior, tratamento da imprensa, rigor nas finanças públicas, menos discurso e mais capacidade executiva, etc., etc. Como se fosse um outro governo, de outro bloco de forças, com linhas politica e econômica distinta. Quase como se a oposição tivesse ganho. Ao invés de reconhecer seus erros brutais, tratam de alegar que é a realidade que é outra.

Como se o modelo econômico e social – âmago do governo – fosse distinto. Como se a composição do governo fosse substancialmente outra, como partidos novos tivessem ingressado e outros saído do governo. Apelam para o refrão de que “o estllo é o homem” (ou a mulher), como se a crítica fundamental que faziam ao Lula fosse de estilo.

No essencial, a participação do Estado na economia está consolidada e, se diferença houver, é para estendê-la. Os ministérios econômicos e sociais são mais coerentes entre si, tendo sido trocados ministros de pastas importantes – como comunicação, saúde e desenvolvimento – para reafirmar a hegemonia do modelo de continuidade com o governo Lula.

A política externa de priorização das alianças regionais e dos processos de integração foi reiterada na primeira viagem da Dilma ao exterior, à Argentina, assim como no acento no fortalecimento dos processos latino-americanos, como a ênfase na aproximação com o novo governo colombiano e a contribuição ao novo processo de libertação de reféns comprova.

O acerto das contas publicas se faz na lógica do compromisso do governo da Dilma de estabelecimento de taxas de juros de 2% ao final do mandato, alinhadas com as taxas internacionais, golpeando frontalmente o eixo do principal problema econômico que temos: as taxas de juros reais mais altas do mundo, que atraem o capital especulativo. A negociação do salário mínimo se faz com o apoio do Lula. A intangibilidade dos investimentos do PAC já tinha sido reafirmada pelo Lula no final do ano passado.

Muda o estilo, ênfases, certamente. Mas nunca o Brasil teve um governo de tanta continuidade como este, desde que se realizam eleições minimamente democráticas. A velha mídia busca pretextos para falar mal de Lula, no elogio a Dilma, tentando além disso jogar um contra o outro. A mesma imprensa que não se cansou de dizer que ela era um poste, que não existiria sozinha na campanha sem o Lula, etc., etc., agora avança na direção oposta, buscando diferenças e antagonismos onde não existem.

Fonte: Carta Maior

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Geraldo Alckmin sobre Dilma: ‘Ela é muito preparada’

Roberto Stuckert/PR
Em política, dizia Ulysses Guimarães, você não pode estar tão próximo que amanhã não possa estar distante, nem tão distante que amanhã não possa se aproximar.
Na sexta-feira (25) realizou-se uma reunião de personagens distantes aproximados pelas contingências.
Deu-se no escritório da Presidência da República em São Paulo. A petê Dilma Rousseff recebeu o tucano Geraldo Alckmin e o ‘demo’ Gilberto Kassab.
Sob atmosfera amistosa, discutiram detalhes da organização da Copa do Mundo de 2014.
Na saída, o governador Alckmin transbordou em elogios a Dilma: "Ela sabe todos os números, tem tudo na ponta da língua. É muito preparada".
Embora oposicionista, Alckmin é adepto da tese segundo a qual não cabe aos governadores do PSDB quebrar lanças. A eles incumbe governar.
Acha que o papel do Executivo estadual é o de se entender com a União, em beneficio de São Paulo.
O caso do prefeito Kassab é diferente. Para ele, oposição é coisa do passado. Cria política de José Serra, está de mudança para o lado do governo.
O Kassab da reunião parecia física e ideologicamente mais próximo de Dilma do que de Alckmin.
Sinal dos tempos. As fronteiras da ideologia, linhas já tão atenuadas pelo tempo, desapareceram.
Num dia qualquer, Kassab dormiu no direitista DEM e acordou na porta de entrada do socialista PSB. 
De tanto ser brasileiro, o eleitor contemporâneo vai adquirindo certa prática. Adapta-se, mesmo a contragosto, à lógica do lugar.
Há método na demência nacional. O Brasil deixou de ser um país imprevisível. Hoje, é tristemente previsível.

Fonte: Blog do Josias

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

GT Itaipu-Saúde será modelo no Brasil e Paraguai para política de saúde fronteiriça


O encontro realizado nessa quinta-feira discutiu os bons resultados do GT Itaipu-Saúde, grupo que servirá como referência para a implantação de políticas públicas das áreas fronteiriças nos dois países.

A experiência do Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT Itaipu-Saúde) na articulação e elaboração de projetos para melhorar a qualidade de vida da população brasileira e paraguaia poderá servir de modelo aos ministérios do Brasil e do Paraguai para a construção de uma política binacional de saúde fronteiriça.

A ideia é fruto da reunião, realizada nesta quinta-feira (24), no consulado brasileiro em Ciudad del Este, entre a senadora Gleisi Hoffmann (uma das fundadoras do GT Itaipu-Saúde), o embaixador do Brasil no Paraguai, Eduardo dos Santos, as diretoras financeiras de Itaipu, Margaret Groff e Gladys Cristaldo e o assistente do diretor-geral brasileiro, Joel de Lima.
  
Ao lado da diretora executiva financeira de Itaipu, Margareth Groff (à direita), a senadora Gleisi Hoffmann (ao centro) fala sobre a proposta de levar a iniciativa implementada por Itaipu à outras regiões.

Em abril, a proposta de formatar um projeto de lei, nos moldes do GT Itaipu-Saúde, será apresentada por Gleisi e por Santos ao ministro da Saúde do Brasil, Alexandre Padilha, e à ministra da Saúde e Bem-Estar Social do Paraguai, Esperanza Martinez.
 
Caso seja aprovada pelos ministérios, serão estabelecidas ações conjuntas nos dois países. Entre as sugestões estão a implantação de um calendário único de vacinas e a instalação de um sistema de dados com informações epidemiológicas de ambos os países para facilitar a tomada de decisão por parte dos gestores de saúde.

  
Outra reivindicação é o aumento da cota do Sistema Único de Saúde (SUS) repassada pelo Ministério da Saúde ao município de Foz do Iguaçu, de R$ 13,50 para R$ 20 por habitante.
 

Segundo Gleisi, em 2003, o grupo foi criado para expandir as atividades dos hospitais sob a gestão de Itaipu, mas cresceu e hoje, serve de exemplo para construção de políticas públicas aos Ministérios da Saúde.
  
Encontro

   
Participaram ainda do debate a gestora do GT Itaipu Saúde, Luciana Sartori, o prefeito de Foz do Iguaçu, Paulo Mac Donald Ghisi, o secretário municipal de Saúde, Francisco Brasileiro, o diretor da 9ª Regional de Saúde, Odair da Silveira e representantes do Ministério da Saúde do Brasil.

Fonte: JIE

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Coletiva com a senadora Gleisi Hoffmann nesta sexta-feira, 25

Nesta sexta-feira, 25, a senadora Gleisi Hoffmann concederá uma entrevista coletiva à imprensa, às 8h30, no Hotel Bourbon, em Foz do Iguaçu. É a primeira vez que a senadora vem à fronteira depois da posse.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Senadora Gleisi Hoffmann desembarca em Foz nesta quinta-feira (24)

A senadora Gleisi Hoffmann chega à Foz do Iguaçu nesta quinta-feira, 24, para participar de uma série de reuniões.

Na quinta, às 16h, na sede do Consulado Brasileiro no Paraguai, em Ciudad del Este, Gleisi tem um encontro com representantes do governo paraguaio. O tema da reunião é: Caminhos para maior integração.

Logo depois, integrantes do Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT- Itaipu Saúde) apresentarão os resultados conquistados pelo Grupo nos últimos sete anos. Gleisi foi uma das fundadoras do GT- Itaipu Saúde), em 2003, quando era diretor financeira executiva da binacional.

Na sexta-feira, às 8h30 ela concede uma entrevista coletiva à imprensa de Foz, no Hotel Bourbon e na sequência, participa da reunião do Conselho de Administração da Itaipu.

Saúde ambiental pode ganhar comissão específica no GT Itaipu-Saúde


Centro de Recepção de Visitantes da margem direita durante encontro do GT Itaipu-Saúde.

O Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT- Itaipu Saúde) poderá ganhar mais uma comissão temática. Dessa vez, sobre saúde ambiental. Nesta terça-feira (22), durante a reunião do GT Itaipu-Saúde, no Centro de Recepção de Visitantes da margem direita, representantes dos Ministérios da Saúde do Brasil e do Paraguai apresentaram dados das políticas públicas nessa área em seus países.
  
No novo eixo temático haverá troca de experiências entre Brasil, Paraguai e Argentina para propor ações conjuntas capazes evitar a proliferação de doenças a partir da água contaminada ou substâncias tóxicas e ainda, desastres naturais.
  A ideia foi conhecer as semelhanças e diferenças para depois começar a trabalhar. A Argentina apresentará sua Política de Saúde Ambiental em março.
  
Depois de conhecer as políticas dos três países, o colegiado definirá se a saúde ambiental terá uma comissão específica ou se continuará sendo trabalhada de forma transversal nos outros nove eixos temáticos.

Fonte: JIE

Democratizar Comunicação: Ministro revela tudo o que vem por aí

O ministro das comunicações, Paulo Bernardo, em entrevista à Rádio Brasil Atual, responde aos especialistas e representantes de entidades, quais as providências que estão sendo tomadas para se democratizar a comunicação em nosso país. 

Acesse 

IFPR realiza Mostra de Fotografias: “Os velhos Carnavais do Floresta Clube”

Bailes de Carnavais serão relembrados na Mostra

O Instituto Federal do Paraná (IFPR), em Foz do Iguaçu, promove de 1o a 3 de março a 1a Mostra de Fotografias: “Os velhos Carnavais do Floresta Clube”. A abertura oficial será na terça-feira, às 9h15, com a presença de alunos, professores, diretores e colaboradores da instituição.


As fotografias e materiais, que relembram os grandes bailes, ficarão expostos no saguão principal do IFPR e poderão ser visitadas das 14h às 21h. Serão mais de 300 imagens, todas recolhidas nas dependências do clube.

Durante os três dias, os visitantes terão a oportunidade de participar da exposição identificando os personagens das fotografias e, ainda, registrar histórias curiosas vividas nos antigos carnavais.

A mostra faz parte do Projeto Ponto da Memória, coordenado pela professora de Geografia e História do IFPR, Roseli Bernardete Dahlem (foto).
Até o final de 2011 serão mais três exposições com os temas: Esporte, Festas Juninas e Bailes.

Ponto da Memória

Iniciado em outubro, o Ponto da Memória é um projeto de extensão da professora Roseli. O objetivo é resgatar a história do Floresta que, até pouco tempo, foi um dos clubes mais badalados de Foz do Iguaçu.
“Manter a memória do Floresta foi um dos compromissos assumidos pelo IFPR ao receber o espaço da direção da Itaipu Binacional”, afirmou.

Com a ajuda de cinco estagiários dos cursos de Informática e Aquicultura, ela já recolheu, limpou e digitalizou mais de 8 mil imagens. Somente de carteirinhas de antigos sócios, são mais de 5 mil. O próximo passo será recuperar as fotografias.

O grupo buscará também recortes de jornais e reportagens televisivas para compor o acervo.

Todo o material será mantido em um pequeno museu. “Em 2012, devemos inaugurar um espaço exclusivo para armazenar o acervo”, disse.

O Floresta Clube

O Floresta Clube foi construído pela Itaipu Binacional e inaugurado em 7 de setembro de 1978. A proposta era oferecer uma opção de lazer e entretenimento para os funcionários da empresa na época da construção da Usina. Depois de quase 30 anos de muitas festas, bailes, competições esportivas ou simplesmente de garantir momentos de descontração ao iguaçuenses, foi fechado em abril de 2008.

O clube – onde hoje funciona o IFPR –, ficava em uma área de 100 mil m². A sede social contava com piscina semi-olímpica, piscina recreativa e infantil. Ainda, tinha sauna seca, pista de skate e patins, campo de futebol, suíço, quadra de tênis, duas quadras de campo, quadras poliesportivas, churrasqueiras, vestiários e parques infantis.

Segundo o diretor do Campus, Luiz Carlos Eckstein, o local está sendo reformado e ganhando nova estrutura. O campo de futebol, por exemplo, deu lugar às salas de aula e aos laboratórios. Entre eles, de química, física, biologia e de informática. O salão de festas será transformado em auditório. 

Entretanto, a única área desfigurada será o campo de futebol. As demais serão mantidas na mesma linha arquitetônica do clube, inclusive, as quadras de esportes.

Doação
Pessoas interessadas em colaborar com o acervo do Clube poderão fazer doações de materiais, como camisetas, troféus, medalhas e fotografias. No caso das imagens, podem ser apenas emprestadas para digitalização.

Visitantes da Mostra poderão identificar as pessoas nas fotos

AMOP reúne-se com Gleisi para reivindicar ações de desenvolvimento regional


Primeiro encontro da senadora Gleisi na fronteira será no Consulado do Paraguai, em Ciudad del Este 

Prefeitos que compõem a AMOP – Associação dos Municípios do Oeste do Paraná, estarão reunidos com a senadora eleita pelo PT, Gleisi Hoffmann nesta sexta-feira, dia 25, a partir das 15 horas, na sede da associação. De acordo com a secretaria executiva da entidade, deverão comparecer ao encontro prefeitos dos 50 municípios da região Oeste.

A pauta da reunião com a senadora será a reivindicação de projetos necessários ao desenvolvimento da região oeste, dentre as quais as soluções aos gargalos que atrapalham a logística dos setores agropecuários, industriais e turísticos da região, como a Duplicação da BR-277, no trecho entre Medianeira e Cascavel, além das duplicações das rodovias entre Cascavel e Ubiratã e entre Cascavel e Capitão Leônidas Marques.

De acordo com o presidente da AMOP, Aparecido José Weiller Junior, a entidade conta com 20 temas classificados como bandeiras do desenvolvimento do Oeste, incluindo a construção do Aeroporto Regional do Oeste do Paraná, em Cascavel, redistribuição do ICMS de grandes cooperativas com abrangência microrregional e do ICMS dos municípios do entorno do Parque Nacional do Iguaçu, prorrogação do período de repasse de royalties para os municípios lindeiros ao lago de Itaipu, dentre outros. Conforme a assessoria de imprensa da AMOP, a senadora ouvirá dos prefeitos a importância que esses projetos têm no sentido de permitir avanços em infraestrutura e logística regional.

Fronteira

A agenda da senadora Gleisi Hoffmann no Oeste do Estado começa um dia antes, em Foz do Iguaçu e Ciudad del Este, com uma série de reuniões na fronteira. Nesta quinta-feira, dia 24, às 16 horas, a senadora terá um encontro, na sede do Consulado Brasileiro no Paraguai, em Ciudad del Este, com representantes do governo paraguaio. Caminhos para maior integração entre o Paraná e departamento (estado) de Alto Paraná (Paraguai). A questão dos brasiguaios deverá ser abordada nesse encontro em Ciudad del Este.

Na sequência, Gleisi reúne-se com integrantes do Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT- Itaipu Saúde) que apresentarão os resultados conquistados nos últimos sete anos. Para Gleisi esse encontro tem um motivo especial afinal ela é uma das fundadoras do GT Itaipu-Saúde, quando exerceu a diretoria financeira executiva da Itaipu Binacional, em 2003.

A agenda da senadora na fronteira prossegue na sexta-feira, dia 25, com a participação na reunião do Conselho de Administração da Itaipu Binacional. A direção da hidrelétrica não antecipou a pauta desse encontro. Antes disso, a senadora concede entrevista à imprensa, no Hotel Bourbon, às 8h30.

Fonte: Gazeta do Iguaçu, por Mônica Cristina Pinto

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Gleisi Hoffmann tem agenda em Foz nesta quinta-feira (24)

A senadora Gleisi Hoffmann chega à Foz do Iguaçu nesta quinta-feira, 24, para participar de uma série de reuniões.

Na quinta, às 16h, na sede do Consulado Brasileiro no Paraguai, em Ciudad del Este, Gleisi tem um encontro com representantes do governo paraguaio. O tema da reunião é: Caminhos para maior integração.

Logo depois, integrantes do Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT- Itaipu Saúde) apresentarão os resultados conquistados pelo Grupo nos últimos sete anos. Gleisi foi uma das fundadoras do GT- Itaipu Saúde), em 2003, quando era diretor financeira executiva da binacional.

Na sexta-feira, às 8h30 ela concede uma entrevista coletiva à imprensa de Foz, no Hotel Bourbon e na sequência, participa da reunião do Conselho de Administração da Itaipu.


Foto: Waldemir Barreto

Desabafo de Serra sobre “ficar preso na chuva” gera polêmica no Twitter

Um desabafo do ex-governador e ex-prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), no Twitter tem causado polêmica na internet. Na quarta-feira (17), após a forte chuva que atingiu a capital paulista e parte da Grande São Paulo, causando dezenas de pontos de alagamento, quedas de árvores, desabamentos e a paralisação de parte do transporte público, Serra postou em seu perfil na rede social que ficou “uma hora e meia no trânsito durante o dilúvio que se abateu sobre São Paulo”.

Revoltado com a sua situação em meio ao caos da cidade, o ex-chefe da administração municipal ainda chegou a postar, no final da noite, um segundo tuíte afirmando que era “quase impossível falar pelo celular” uma vez que as ligações eram “todas cortadas”.

As afirmações provocaram reação quase instantânea no mundo virtual. Em poucos minutos, centenas de comentários criticando o político começaram a “pipocar” no Twitter. Posts que iam desde um curto “prove do próprio veneno”, passando por um direto “E o q [sic] senhor fez quando prefeito e governador para mudar isso?” até um indignadíssimo “verdade que o @joseserra_ reclamou do trânsito no Twitter? Fala pra ele pegar o metrô da zona leste sentido centro pra ver o que é bom”.

Em quase todos os tuítes, o tom de ironia e revolta era claro. Mas algumas delas também faziam cobrança, como no exemplo da mensagem de “GuilhermeCaldas Guilherme Caldas”:
“@joseserra_ gostaria de saber o que o gov [sic] do Estado fez na última gestão para evitar esses alagamentos em SP. Será que faltou planejamento?”

serra-twetts
Reprodução de mensagens postadas por José Serra em seu Twitter na noite da quarta-feira (16)

Fonte: R7

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Joel recebe representante da Sociedade Beneficente Islâmica

O encontro aconteceu no Centro Executivo, nesta quinta-feira (17).

Representantes da Sociedade Beneficente Islâmica (SBI) de Foz do Iguaçu se encontraram com Joel de Lima, assistente do diretor-geral brasileiro, nesta quinta-feira (17), no Centro Executivo da Itaipu. Entre eles, o sheik Mohamed Khalil, guia religioso da SBI, e Ali Abbas, presidente do Grupo Escoteiro Líbano Brasileiro.
    
O objetivo do encontro foi debater o processo de doação aos escoteiros da área localizada atrás do Instituto Federal do Paraná (IFPR), na Vila A – atualmente pertencente à Prefeitura de Foz do Iguaçu. A proposta do grupo é utilizar o espaço para atividades esportivas e pesquisas na área ambiental.
    
Possíveis parcerias em ações de responsabilidade social – como o Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente (PPCA) – também foram discutidas.

Fonte: JIE

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Luta contínua de combate ao crack e outras drogas

Luta contínua de combate ao crack e outras drogas
Foto: Roberto Stuckert Filho



A presidenta Dilma Rousseff anunciou nesta quinta-feira (17) a implantação de 49 Centros Regionais de Referência em Crack e Outras Drogas (CRR) em universidades federais das cinco regiões brasileiras. Em solenidade no Palácio do Planalto, a presidenta reafirmou o compromisso de seu governo na luta contínua do combate às drogas, especialmente o crack, “para que um país como o nosso não tenha sua juventude vulnerabilizada”.

Os centros serão responsáveis por capacitar, nos próximos 12 meses, 14,7 mil profissionais como médicos, psicólogos , enfermeiros, assistentes sociais e agentes comunitários. Segundo a presidenta Dilma, o combate de “um problema da proporção do crack” requer profissionais altamente capacitados para tratamento do usuário e apoio às famílias, daí a importância do projeto que será, segundo ela, “uma das armas mais fortes de combate e prevenção às drogas”.

“Eu estava aqui, há pouco, comentando com o ministro Fernando Haddad a importância cada vez maior que a universidade federal, a universidade estadual, a universidade municipal adquirem na sociedade brasileira. A valorização que, no governo do presidente Lula, foi dada às universidades federais, eu acho que contribui também para essa devolução que eu acho que os senhores podem fazer com [para] a sociedade brasileira”, disse.

Leia aqui o discurso da presidenta na abertura do seminário de implantação dos Centros Regionais de Referência em Crack e Outras Drogas.

Em seu discurso, a presidenta frisou a importância do envolvimento multissetorial no combate às drogas e criminalidade e lembrou que “a valorização dos professores e professoras do nosso país” é imprescindível nesse processo e uma meta de seu governo. Além disso, ressaltou a presidenta, é necessário envolver instituições como a Política Federal para o combate ao crime organizado, tráfico de drogas e fortalecimento das fronteiras.

“Junto com a Polícia Federal nas áreas de fronteira, com o próprio Exército, com as Forças Armadas, o saber talvez seja uma das condições privilegiadas através das quais nós podemos decifrar as drogas (…). E, acho que é fundamental a gente perceber que tudo isso também passa por um processo de combate ao crime organizado, através do controle de fronteiras, da… eu diria, o reforço ainda maior da Polícia Federal no combate à criminalidade e às drogas”, disse.

Participaram ainda da abertura do seminário – que reúne 49 reitores das universidades selecionadas – os ministros Alexandre Padilha (Saúde), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Fernando Haddad (Educação), a secretária nacional de Políticas Sobre Drogas (Senad), Paulina do Carmo, e o presidente da Andifes, Edward Madureira.

“O crack é mais que uma droga, é quase um veneno. Começa com uma brincadeira e termina com a morte”, alertou o ministro da Educação, Fernando Haddad.

Após a cerimônia, a secretária nacional de Políticas Sobre Drogas concedeu entrevista coletiva e assinalou que, no próximo mês, o governo federal lançará o maior estudo do mundo sobre o crack, que envolveu 22 mil pessoas de diversos estados brasileiros. A partir da amostragem, a pesquisa traçará o mapa do consumo de crack no país e servirá como embasamento para diversas políticas públicas para enfrentamento da droga. 

Centros de referência

Cada projeto (quatro cursos) terá até R$ 300 mil do Fundo Nacional Antidrogas (Funad) para capacitação de 300 profissionais. Ao final de 12 meses, serão formados 14,7 mil profissionais, em 844 municípios de 19 estados do país. Os cursos vão abordar o gerenciamento de casos, a reinserção social e o aconselhamento motivacional, bem como o aperfeiçoamento de médicos atuantes no Programa de Saúde em Família, no
Núcleo de Assistência à Saúde da Família e profissionais do SUS e do Sistema Único de Assistência Social.

A iniciativa faz parte do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, lançado no ano passado pelo governo federal. O Plano prevê, também, a ampliação do número de leitos de internação de usuários, a ampliação do número de Centros de Referência de Assistência Social e dos Centros de Referência Especializada de Assistência Social, a realização de estudos e pesquisas, a ampliação do horário de atendimento do VivaVoz, a criação de centros de pesquisa e novas metodologias de tratamento e reinserção social, e medidas de enfrentamento ao tráfico.

Fonte: Blog do Planalto.

Anvisa aprova cinco novos medicamentos genéricos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a entrada de cinco novos medicamentos genéricos no mercado.

Os genéricos aprovados foram a dacarbazina, usada contra o câncer; a entacapona, utilizada no tratamento do mal de Parkinson; a rosuvastina cálcica, para diminuir o colesterol; a quetiapina, prescrita em casos de esquizofrenia e o tenofovir, contra aids e hepatite B.

Com a liberação da agência reguladora, o Ministério da Saúde anunciou a produção de 9 milhões de comprimidos do genérico do tenofovir, fabricados pela Fundação Ezequiel Dias (Funed). O primeiro lote deve ser produzido a partir do próximo mês. Cerca de 64 mil pessoas com aids usam o medicamento no país. O ministério prevê ainda uma economia de R$ 80 milhões por ano.

Os genéricos são mais baratos que os remédios de marca em pelos menos 35%. Eles possuem o mesmo princípio ativo do medicamento de referência, inclusive dose e fórmula farmacêutica.

A Anvisa informou que a autorização atende à política de priorizar o registro de medicamentos que ainda não têm genérico ou apontados como prioridade pelo Ministério da Saúde. Nos últimos nove anos, a agência reguladora autorizou, em média, 300 registros de genéricos por ano.

Fonte: Agência Brasil

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

GT Itaipu-Saúde e Fundo das Nações Unidas vão trabalhar em conjunto

O Grupo de Trabalho Itaipu-Saúde (GT Itaipu-Saúde) fechou uma parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) para desenvolver trabalhos nas áreas de saúde, direitos humanos, planejamento familiar, cuidado com idosos e indígenas e desenvolvimento da Tríplice Fronteira.
         
Um encontro, na última terça-feira (15), em Foz do Iguaçu, entre a diretora financeira executiva da Itaipu, Margaret Groff, e o gerente dos escritórios do UNFPA no Brasil, Paraguai e na Argentina, Harold Robinson, selou o acordo. A reunião contou também com a presença da assistente da diretora financeira, Simome Ribeiro Schuartz, e da gestora do GT Itaipu-Saúde, Luciana Sartori.
  

As equipes do GT e da UNFPA reunidas.
        
Margaret e Robinson estabeleceram que, no dia 21 de março, serão definidos os projetos em que atuarão em conjunto. Entre as principais opções, a realização do Censo Indígena na Tríplice Fronteira e o reforço nos programas de Saúde do Homem.
      
Na opinião da diretora da Itaipu, esta união reforçará as ações de ambos os projetos. “Tanto nós quanto eles buscamos o fortalecimento das políticas públicas dos governos federais do Brasil, Paraguai e Argentina”, afirmou. Para Robinson, “desenvolver projetos com uma empresa do porte e da credibilidade de Itaipu renderá resultados positivos para todos”.


Fonte: JIE

Pesquisa mostra 50% de popularidade de Dilma nos primeiros 45 dias

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Análise, de Alberto Almeida, realizada entre sábado e esta quarta-feira (16), mostra que a presidenta Dilma Rousseff, tem 50% de popularidade, após 45 dias de governo. Mil pessoas foram entrevistadas.

A pesquisa demonstra ainda que  o novo governo é considerado ótimo ou bom por 50% da população.

Apesar do índice de aprovação ser 20 pontos percentuais abaixo da última pesquisa de Lula, o resultado foi considerado positivo.

O índice é semelhante ao registrado por Lula em 2006, quando ele foi reeleito para o segundo mandato.

Instituto Federal do Paraná (IFPR) escolherá novo reitor

Mais de 10 mil professores, técnicos administrativos e alunos com mais de 16 anos, dos 14 campis do Instituto Federal do Paraná (IFPR), vão às urnas no dia 22 de março para escolher um novo reitor. Em Foz do Iguaçu, serão pelo menos 320 eleitores.

O eleito substituirá o professor Luiz Gonzaga Alves de Araújo que assumiu, temporariamente, o cargo após Alipio Leal, ex-reitor do IFPR, ter sido nomeado pelo Governador do Paraná, Beto Richa, como Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, no início do ano.

O mandato será de quatro anos, mas podendo ser renovado para outros quatro. Os interessados em participar da corrida podem se inscrever até o dia 3 de março nos próprios campis.

Entretanto, há algumas exigências a ser cumpridas. Somente podem concorrer ao título, docentes dos IFPR. Ainda devem possuir ao menos 5 anos de serviços prestados a alguma entidade federal de educação tecnológica e profissional e/ou ter título de doutor e registro em Conselhos de Classes de Educação.

Calendário

Conforme explica o diretor do Campus de Foz do Iguaçu, Luiz Carlos Eckstein, embora a escolha do novo reitor seja apenas em março, há uma série de etapas a ser cumpridas até lá. Nesta quinta-feira, 17, serão formadas as comissões eleitorais em cada uma das unidades espalhadas pelo Paraná. As normas gerais da disputa e o calendário serão divulgados dia 28. Em 4 de março serão homologadas as candidaturas. “Do dia 4 até a eleição, será o período de campanha”, explica.  O nome do eleito será conhecido no dia 29 de março.

No entendimento do professor Luiz Carlos, esta disputa eleitoral será muito importante para a comunidade acadêmica de Foz do Iguaçu. Durante o processo, professores, técnicos e alunos conhecerão um pouco mais da missão do IFPR e também auxiliarão nos processos de decisões.
Na cidade, a eleição será realizada na sede do IFPR, localizada na Avenida Araucária, na Vila A .

O reitor

O reitor é o gestor principal das universidades e instituições federais. Ele dirige todos os diretores. Da mesma forma, a reitoria é normalmente considerada o órgão executivo máximo da entidade de ensino. Atualmente, dada a grande dimensão que muitas universidades possuem, também, a figura do pró-reitor e as pró-reitorias.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Profissionais do Brasil, Paraguai e Argentina recebem capacitação contra dengue

A 9ª Regional de Saúde, em parceria com o Grupo de Trabalho Itaipu Saúde (GT Itaipu Saúde), promove nesta quinta-feira (17) um curso sobre dengue com o entomologista Enéas Cordeiro de Souza Filho. A atividade começa às 14h, no auditório do SESC, em Foz do Iguaçu.

Durante a capacitação, médicos, farmacêuticos, enfermeiros e profissionais de vigilância em saúde do Brasil, Paraguai e da Argentina discutirão modelos simples de diagnóstico e tratamento que possam evitar a morte de pessoas com dengue.

A hidratação e uma alimentação rica em ferro são consideradas fundamentais para a recuperação dos pacientes. 
 
A dengue

A dengue é uma doença causada por um vírus (Flaviviridae) e transmitida por meio da picada da fêmea contaminada do mosquito Aedes aegypti. A doença pode se manifestar de duas formas: clássica, cujos sintomas são mais brandos, e hemorrágica, a forma mais grave da doença.
Em ambos os casos, a pessoa deve buscar ajuda médica imediata quando os sintomas começam a se manifestar. São eles: febre alta, dores nas costas, articulações, cabeça e atrás dos olhos.

Serviço:
Mais informações sobre a capacitação na 9ª Regional de Saúde pelos telefones (45) 3572 9418, com Cibele, e (45) 3520 5359, com Paula.

Gleisi Hoffmann apresenta resultados dos primeiros dias no senado

Número de novas empresas criadas no Brasil dobra em 2010

O número de empresas criadas no Brasil entre 2009 e 2010 aumentou 101%. A avaliação foi feita pelo Departamento Nacional de Registros do Comércio, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e foi divulgada na terça-feira (15) no informativo “Em Questão”, do Governo Federal.

A análise aponta um total de 1.370.464 empresas constituídas no Brasil ano passado contra 680.881em 2009.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Encontro forma Núcleo de Fronteira


Autoridades debatem durante o 5º Encontro Internacional para Assuntos de Fronteira, no Centro Executivo. 

O assistente do diretor-geral brasileiro da Itaipu, Joel de Lima, representará o governo federal no Núcleo Regional de Fronteira, que começou a ser estruturado na sexta-feira (11), durante o 5º Encontro Internacional para Assuntos de Fronteira, realizado no Centro Executivo da Itaipu, em Foz do Iguaçu.
   
A reunião teve a presença de representantes da Secretaria Municipal de Assuntos Internacionais, Secretaria Estadual da Saúde , 9ª Regional de Saúde, Ministério da Integração, Ministério da Saúde e Relações Exteriores do Paraguai, Sanepar e Acifi, entre outros.

    
Joel de Lima (primeiro à esquerda) será o representante do governo federal no Núcleo Regional de Fronteira.
   
O núcleo terá como objetivo propor soluções aos problemas da tríplice fronteira, como, por exemplo, o intercâmbio de profissionais de saúde, legislação única, ações conjuntas de enfrentamento da dengue e a implantação de um hospital trinacional.
  
Idealizado pelo Ministério das Relações Exteriores, o grupo contará com representantes das três esferas de governo e se reunirá periodicamente.
  
O vice-prefeito de Foz do Iguaçu, Francisco Lacerda Brasileiro, representará o município. Uma carta será encaminhada ao governador do Paraná, Beto Richa, solicitando a indicação de um nome para representar o Estado. A expectativa é que, em até 90 dias, a comissão esteja estruturada e pronta para iniciar os trabalhos, inclusive com a participação dos municípios lindeiros.

    
Segundo Sérgio Coury, o núcleo terá "liberdade para resolver".
  
Segundo o chefe do escritório de representação do Itamaraty no Paraná (Erepar), ministro Sérgio Coury, o núcleo será o elo entre as cidades fronteiriças e o governo federal. “Terá liberdade para resolver. Não queremos apenas debates, mas soluções efetivas”, afirmou.
  
Ainda durante o encontro, a prefeitura de Foz do Iguaçu fez o repasse da escritura de doação de um terreno na Vila Portes ao governo do Paraguai, para a construção do consulado geral do país em Foz do Iguaçu.
  
CNH
  
Segundo Coury, autoridades do Brasil, Paraguai e da Argentina se reúnem há dois anos para debater assuntos de fronteira. O uso da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para brasileiros ingressarem na Argentina é um dos frutos do acordo firmado entre o Itamaraty e a Diretoria de Migração Argentina. "A estruturação deste núcleo com certeza é uma nova conquista".


Fonte: JIE

“PT deve se transformar em partido de milhões”, diz membro da direção da sigla

Fundado em 1980 para representar e defender os interesses da classe trabalhadora, o PT se converteu em um dos maiores partidos de esquerda da América Latina. Hoje, porém, ao completar oito anos no poder, é alvo de críticas por algumas de suas alianças, consideradas excessivamente pragmáticas.

Valter Pomar, doutor em História pela USP (Universidade de São Paulo) e representante da corrente Articulação de Esquerda no Diretório Nacional da sigla, diz ver com restrições algumas dessas alianças, que considera dispensáveis.

Ele reitera, porém, as bandeiras tradicionais do partido, que em sua opinião devem guiar a ação dos petistas também na participação do governo da presidente Dilma Rousseff, recém-iniciado.
- Por exemplo, a situação internacional exige alterações substanciais na política monetária e cambial. E supõe ampliação do apoio à agricultura familiar e à reforma agrária.

Quanto às perspectivas para o futuro, Pomar ressalta a importância do diálogo com as bases da legenda para que ele continue se fortalecendo como “organização coletiva”.

- O PT precisa se fortalecer, se transformar em um partido de milhões de pessoas organizadas em torno de um projeto socialista para o Brasil.

Leia, a seguir, trechos da entrevista concedida por Valter Pomar ao R7:

R7 – Quais desafios se impõem ao PT neste momento, com o início de um governo e o ex-presidente Lula deixando o centro da política institucional?

Valter Pomar – Primeiro, trabalhar para que o governo Dilma implemente o programa vitorioso nas eleições de 2010. Segundo, mobilizar a sociedade em defesa das reformas estruturais, com destaque para as reformas tributária, política, urbana e agrária e a democratização das comunicações. Terceiro, ganhar a maioria do povo brasileiro para as ideias do socialismo.

R7 – Com Lula deixando a presidência, pode-se dizer que um ciclo chegou ao fim? Há necessidade de renovar lideranças?

Pomar – São duas questões: uma diz respeito ao Brasil, outra ao PT. O governo Dilma tem que concluir a transição, iniciada no governo Lula, do neoliberalismo em direção ao desenvolvimentismo. O que significa que vai se intensificar a disputa entre os dois modelos de desenvolvimento que sempre pautaram a história brasileira: o conservador (que concentra riqueza e poder) e o democrático (que distribui riqueza e poder). Para isto, Lula continuará sendo importante, mas muito mais importante é o PT como organização coletiva, que precisa se fortalecer, transformar-se em um partido de milhões de pessoas organizadas em torno de um projeto socialista para o Brasil.

R7 – Quais são as perspectivas quanto à participação e influência do PT no governo de Dilma Rousseff?

Pomar – Participação e influência, o PT tem e continuará tendo. A questão é o conteúdo desta participação e influência, o que exigirá do PT maior capacidade de formulação estratégica, para apresentar ao governo a opinião partidária sobre os temas decisivos da pauta nacional e internacional. Por exemplo, a situação internacional exige alterações substanciais na política monetária e cambial. E supõe ampliação do apoio à agricultura familiar e à reforma agrária.

R7 – Fala-se muito do fenômeno lulista, mas a votação de Dilma seria uma evidência de que o ex-presidente pode, sim, transferir ao partido pelo menos parte de sua popularidade?
Pomar – Sim, a eleição de 2010 mostrou o peso de Lula. Mas também mostrou que apenas Lula não basta. Sem partido, sem movimentos sociais, sem a esquerda em geral, não teríamos vencido o segundo turno. Minha ênfase é na organização coletiva.

R7 – Há partidos surgidos de dissidências petistas, como o PSOL, e intelectuais que romperam com o PT e criticam o partido por ser hoje uma força do campo da ordem, que está se centralizando e tem o pragmatismo como norte. O senhor concorda?

Pomar – Não. Quem acha isso acaba se aliando com a direita. Claro que o PT sofre enormes pressões conservadoras e pragmáticas, que se não forem revertidas podem, no médio prazo, mudar o caráter do partido. Mas, por enquanto, a direita, o grande capital e os Estados Unidos continuam desgostando do PT.

R7 – O PT é, ainda hoje, um partido de esquerda e de orientação socialista?

Pomar – Somos um partido de esquerda e socialista. E um partido das classes trabalhadoras. Agora, há setores dentro do PT que não são nada disso.

R7 – Como o senhor vê as alianças que deram sustentação ao governo Lula e que subsistem neste início de gestão de Dilma Rousseff?

Pomar – Vejo de maneira crítica. Algumas destas alianças eram e são perfeitamente dispensáveis. Em outros casos, o exagero na busca de aliados quase destruiu o PT. Dou como exemplo o que ocorreu em Minas Gerais, Maranhão e Rio de Janeiro.

R7 – Predomina, a partir da chegada à Presidência, uma visão excessivamente institucional? Falta diálogo com as bases, com os movimentos sociais?


Pomar – A estratégia do PT, desde 1987, combinava três dimensões: luta social, luta institucional-eleitoral e organização partidária e de um forte movimento socialista no Brasil. Nos anos 90, por diversos motivos, a dimensão institucional-eleitoral se hipertrofiou. A chegada à Presidência reforçou o que vinha de antes. Nosso desafio é, mantendo e ampliando a presença institucional, recuperar a força social, qualificar a organização partidária e ampliar a dimensão ideológica.

Fonte: Por José Henrique Lopes, do R7

Museu Bertoni recebe últimos retoques para a reabertura à visitação

O Museu Moisés Bertoni, localizado às margens do Rio Paraná, dentro dos limites territoriais de Ciudad Presidente Franco, logo será entregue totalmente remodelado e reestruturado à comunidade das Três Fronteiras. Funcionando de modo precário há mais de dois anos, o Museu Bertoni será reaberto neste semestre. Mas as principais mudanças já estão realizadas e prontas. 

As autoridades nacionais esperam poder inaugurar o novo Bertoni ainda neste primeiro semestre. O que falta, segundo a Secretaria Nacional de Turismo (Senatur) é definir estratégias para a administração do espaço cultural.

A obra foi realizada pela Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria Nacional de Cultura e Secretaria Nacional do Turismo do Paraguai.  

O Museu, localizado em uma reserva ambiental que hoje tem 200 hectares (já foram 12 mil), é parte das áreas protegidas do Paraguai sob o nome de Monumento Científico Nacional desde 1955.
 
O Museu terá 10 salas, segundo o projeto de Lataza, que manterá uma exposição permanente de parte da antiga biblioteca de Bertoni que chegou a ter 7 mil livros, revistas e jornais científicos. A sala onde o cientista e pesquisador Bertoni trabalhava ganhou tratamento especial. Foi feita uma estátua de Bertoni sentado à mesa e trabalhando (foto). Parte dos livros e artigos de Bertoni foram escritos e impressos na gráfica de sua casa. À gráfica ele deu o nome de Ex Sylvis. Lataza reconstruiu o ambiente da gráfica utilizando métodos modernos de museologia. Todo o material do Museu Bertoni antigo foi levado à Assunção para análise, restauração e preservação.

Além do Museu Bertoni, há obras em andamento no Parque Municipal do Monday e no lado paraguaio do Marco das Três Fronteiras. O projeto de reorganização e reestruturação do museu é dirigido por Luis Lataza, conhecido historiador de arte e mestre em museologia do Paraguai. Entre as obras assinadas por ele, se encontra a Casa da Independência do Paraguai em Assunção.

Fonte: Gazeta do Iguaçu

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Aulas do Instituto Federal do Paraná (IFPR) começam nesta segunda-feira

Os 500 estudantes matriculados no Instituto Federal do Paraná (IFPR), em Foz do Iguaçu, iniciam o ano-letivo nesta segunda-feira, 14. Os alunos são dos cursos técnicos de informática, aquicultura, edificações, hidrologia, cozinha, secretariado e administração.

Do total de discentes, 10 são paraguaios. A proposta é promover a integração entre Brasil e Paraguai. Nos próximos anos a meta é aumentar o número de vagas para estudantes dos dois países vizinhos.

Segundo o diretor-geral do Campus, Luiz Carlos Eckstein o objetivo do IFPR é qualificar cidadãos para atuar nos diversos setores da economia, com ênfase no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional. “A quantidade de estudantes praticamente dobrou. No início eram 250, hoje, são 500. Entretanto a nossa meta é atingir 2,5 mil alunos”, afirma. E completa: “O mercado está pronto para receber estes profissionais. Hoje, em todo o Brasil, há pelo menos 6 milhões de vagas ociosas aguardando técnicos qualificados”.

Uma das novatas é Maria da Silva Dias, de 56 anos. Ela está ansiosa para iniciar o curso de Cozinha. Depois de 40 anos sem estudar, Maria reconhece que não será fácil. “Estou cursando o Ensino Médio através do CEEBJA (Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos). E agora, farei curso técnico no IFPR. Sei da qualidade dos professores, por isso, será necessário um esforço redobrado da minha parte. Mas, com certeza sairei pronta para o mercado de trabalho”, afirma.

A instituição estuda a possibilidade de implantar um curso superior de licenciatura nas áreas de física e artes.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Encontro debaterá soluções para problemas da fronteira

Autoridades do Brasil, Paraguai e da Argentina se reúnem nesta sexta-feira (11) para reunião de trabalho do “Quinto Encontro Internacional para Assuntos de Fronteira”.  O debate será às 9 horas na sala de reuniões da Diretoria Geral da Itaipu Binacional, no Centro Executivo da Vila A.

O encontro, quinto de uma série realizada nos últimos anos, contará com a presença de várias autoridades  dos três países.

Consulado
Durante o encontro o prefeito Paulo Mac Donald formalizará a doação do terreno, na região da Vila Portes, para a construção da sede própria do Consulado da República do Paraguai em Foz do Iguaçu.

Partido dos Trabalhadores completa 31 anos

O Partido dos Trabalhadores (PT) comemora nesta quinta-feira seus 31 anos de fundação. Para celebrar a data haverá um ato político em Brasília que contará com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff.


Mais informações acesse PT

Paulo Bernardo: universalizar banda larga é prioridade do governo

Universalizar o serviço de banda larga é prioridade do governo, afirmou o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) após se reunir esta semana com a presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, em Brasília (DF).

Segundo ele, a presidenta recomendou manter foco num plano nacional que leve à população um sistema com qualidade e baixo custo. O ministro revelou que inicia, nos próximos dias, reuniões com setores envolvidos na questão, como empresas de telefonia e provedores de acesso, além de entidades sindicais e sociais. O ministro espera que até o mês de abril tenha fechado o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL.

Acesse mais dados 

Agroindústria nacional cresceu 4,7%, em 2010, e safra registrou 149,5 milhões de toneladas de grãos

A Agroindústria vive um grande momento no cenário nacional, registrando um crescimento de 4,7% em 2010, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além da expansão do setor, a safra nacional de grãos teve destaque nessa evolução e a produção de 2010 somou cerca de 149,5 milhões de toneladas, o equivalente a 11,6% a mais que em 2009.

Acreditando no bom desempenho do setor, Wagner Rossi, ministro da Agricultura, afirmou que a produção de grãos deve registrar um novo recorde na safra de 2010/2011, atingindo a marca de 153 milhões de toneladas produzidas. O ministro enfatizou que os produtores podem esperar pelo retorno de seu investimento no setor e por um ano rentável, graças à valorização das commodities:

Mais informações clique aqui

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

GT Itaipu-Saúde define prioridades

O Grupo de Trabalho Itaipu-Saúde definiu a linha de ação para o ano de 2011. Além do combate à dengue, prioridade número um, estão em pauta também a saúde masculina, aleitamento materno, atenção ao idoso e prevenção da leishmaniose e tuberculose.
     
Segundo Luciana Bueno Sartori, gestora do GT Itaipu-Saúde, este planejamento das atividades é resultado de um levantamento feito pelos integrantes das nove Comissões Técnicas do GT. Eles avaliaram os problemas mais presentes no cotidiano das unidades de saúde para, então, apresentar propostas. “Um dos critérios utilizados na preparação dos projetos é a contemplação dos problemas comuns nos três países”, destaca.
     
Uma das ações que terá mais ênfase será o reforço das campanhas de prevenção junto aos homens, para reduzir a mortalidade masculina na Tríplice Fronteira. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, a expectativa de vida para os homens é de sete anos a menos que para as mulheres. Acredita-se que isso se deva à menor preocupação que os homens em geral têm com a saúde.
     
O panorama é semelhante nos países vizinhos: no Paraguai, homens vivem em média quatro anos menos que as mulheres; na Argentina, a diferença na expectativa de vida é de seis anos. A expectativa da equipe do GT, com as ações de conscientização e prevenção que estão programadas, é que essa diferença venha a cair nos próximos anos.
     
Todas as idades

     
A Comissão de Saúde Materno-Infantil do GT Itaipu-Saúde pretende, esse ano, incentivar ainda mais o aleitamento materno. Dados do Ministério da Saúde e Bem-Estar Social do Paraguai informam que a maioria das mulheres daquele país deixa de amamentar logo nos primeiros três meses, quando o ideal seria pelo menos o dobro. O resultado é uma população infantil doente e frágil.
     
“Em 2010 promovemos uma capacitação voltada aos profissionais das unidades básicas de saúde. Eles precisam estimular as mães a amamentar os filhos. Este ano haverá o segundo módulo”, explica a gestora. A programação vai incluir, inicialmente, um curso sobre manejo clínico, com destaque para a importância da amamentação.
     
Mas não são apenas os pequenos que receberão atenção especial. Os idosos também fazem parte da lista de prioridades. Em 2009, a Comissão de Saúde do Idoso capacitou 300 profissionais de saúde que atendem pessoas idosas. Agora, desenvolverá um curso voltado ao cuidado domiciliar, entre familiares.
     
O objetivo é preparar filhos, netos, genros e noras na assistência aos idosos dentro de suas casas. Adaptação de móveis e do imóvel, falar mais alto e escolher determinados temas para conversas são alguns exemplos de atitudes capazes de melhorar a qualidade de vida desta população.
     
Doenças

     
Além da dengue, leishmaniose e tuberculose serão foco da Comissão de Endemias para 2011. De acordo com relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), todo ano são registrados 440 mil novos casos de tuberculose em todo o mundo, e estima-se que menos de 5% dos pacientes recebem tratamento adequado. 


Fonte: JIE

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

IFPR já emitiu 150 diplomas de Ensino Médio com base no ENEM

Até agora 150 pessoas já receberam o certificado de conclusão do Ensino Médio emitido pelo Instituto Federal do Paraná (IFPR), com base nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), de 2010. Os interessados devem procurar a secretaria da Instituição das 8h às 12h e das 13h às 17h.

Segundo Flávio Lúcio Pedrosa, da Secretária Acadêmica, este documento beneficiará milhares de brasileiros. Principalmente àqueles que deixaram os bancos escolares há muitos anos ou estudaram em outras regiões, mas não têm documentos comprobatórios. “A única exigência é ter mais de 18 anos e alcançadas as notas mínimas no ENEM”, explica. E acrescenta: “Mesmo quem não concluiu o Ensino Fundamental tem direito”.

Pontuação
A nota mínima é 400 pontos em cada uma das áreas de conhecimento: Linguagens, Matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza. Ainda, somado, pelo menos, 500 pontos na redação.
Mesmo com pontuação inferior a 400 em alguma das áreas, estudantes do EJA (Ensino de Jovens e Adultos) podem requerer o certificado de proficiência em algumas disciplinas.  A exigência é ter alcançado notas mínimas nessas matérias em cursos supletivos, por exemplo.

Documentos
Para solicitar o Diploma do Ensino Médio ou de Proficiência, gratuitamente, o aluno deve encaminhar ao Instituto o requerimento de “Solicitação de Certificação do Ensino Médio” – disponível no site: www.ifpr.edu.br -; Boletim Individual com as notas do ENEM; original e cópias da Cédula de Identidade (RG), do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e da Certidão de Nascimento ou Casamento.

A emissão do diploma pelo Instituto é resultado da Portaria nº 807 assinada pelo Ministro da Educação, Fernando Haddad, em 18 de junho de 2010.

Em Foz do Iguaçu, o IFPR funciona na Avenida Araucária, 780, Vila A, na área do área do antigo Floresta Clube.

Mais informações pelo telefone (45) 3422-5317.

Gleisi defende projetos no Senado

Gleisi Hoffmann defende três projetos no Senado Federal.

Um deles é a alteração do regime interno. Ela pede para vedar a posse dos senadores no período de recesso. 
O segundo disciplina a ajuda de custo para o Congresso.  Prevê extinguir os 14o e 15o salários dos senadores e deputados.
Também a regulamentação do teto da remuneração dos agentes públicos.

Assista ao vídeo

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Gleisi faz primeiro pronunciamento no Senado

Em seu primeiro pronunciamento como senadora no Plenário, Gleisi Hoffmann reafirmou o compromisso com o desenvolvimento econômico e social do Paraná. Aproveitou o momento para agradecer, mais uma vez, a expressiva votação conquistada nas últimas eleições e garantiu defender com empenho as propostas apresentadas durante a caminhada eleitoral.

Mais direitos para mais mulheres, o desenvolvimento econômico e social do Estado, o respeito ao meio ambiente, o fortalecimento da agricultura paranaense e, finalmente, a luta por um Paraná e um Brasil de todos e de todas por meio de melhorias na educação, na saúde e na segurança.

Ela se comprometeu, ainda, trabalhar arduamente para ajudar a melhorar a vida das pessoas.

STF reafirma que vaga de parlamentar pertence ao partido e não à coligação

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), entende que a substituição de parlamentar, que deixa a Câmara para assumir postos no Executivo, deve ser feita por suplente do mesmo partido, e não por suplente de coligação partidária.

Com isso, a ministra reafirmou a visão dos integrantes da mais alta Corte do país, deliberada em dezembro último, de que “os efeitos da coligação terminam com o fim das eleições”. Por isso, o mandato pertence ao partido, e não à coligação.

O entendimento foi firmado pela ministra ao analisar dois mandados de segurança apresentados pelos suplentes Humberto Souto (PPS-MG) e Carlos Victor (PSB-RJ), que queriam as vagas deixadas pelos deputados Alexandre Silveira, do PPS, que assumiu a Secretaria Extraordinária de Gestão Metropolitana de Minas Gerias, e Alexandre Cardoso, do PSB, que assumiu a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.

A vaga deixada pelo parlamentar fluminense foi ocupada pelo primeiro suplente da coligação PSB-PMN, Carlos Alberto Lopes (PMN), uma vez que Carlos Victor ficara com a segunda suplência da coligação. A vaga deixada por Alexandre Silveira foi ocupada pelo primeiro suplente da coligação PSDB-DEM-PP-PR-PPS, Jairo Ataíde (DEM-MG), enquanto Humberto Souto conseguira só a quinta suplência na coligação, mas é o primeiro suplente do partido, a seu ver dono da vaga.

A decisão da ministra Cármen Lúcia não foi enviada, ainda, para a Mesa Diretora da Câmara, o que deve ser feito logo no início da semana. Depois de analisar a questão, que garante os mandatos legislativos a Humberto Souto e Carlos Victor, a Mesa encaminhará a questão para apreciação do corregedor da Câmara, deputado Eduardo da Fonte (PP-PE).

Fonte: Agência Brasil

A banca banca Dilma (e Lula), por Clovis Rossi

DAVOS - O velho sábio que habitava esta Folha costumava repetir sempre que vivera o suficiente para ver tudo acontecer e o seu contrário também.

Pois é, estou chegando ao mesmo ponto. Ou já cheguei, do que me dei conta anteontem à noite ao conversar com William Rhodes, hoje conselheiro-sênior do grupo Citi, e ouvir sua animação com o Brasil.

Apresento Rhodes para as jovens gerações: foi o grande ogro da América Latina, nos anos duros de renegociação da dívida externa, como um dos líderes, o principal aliás, do comitê dos credores.

Uma vez, almocei com ele na sede de Nova York do Citi. Ouvi um verdadeiro sermão sobre como deveríamos nos comportar os latino-americanos, incluídos os governantes, com os quais eu nada tinha a ver. Nem gostava, aliás.

Pois bem, agora, o próprio Rhodes me conta um caso absolutamente oposto: diz que, em recente encontro com o então presidente Lula, com a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, este lhe disse que os Estados Unidos é que deveriam cuidar de sua dívida, que chegou a um ponto explosivo.

Não creio que Mantega tenha feito um sermão. É um tipo suave. Mas a ironia cabe e mostra como o Brasil mudou -e, com ele, grande parte da América Latina.

Rhodes se tornou um entusiasta de Lula, a ponto de, em 2005, ter afirmado aqui mesmo em Davos: "A implementação de seu programa econômico é um bom exemplo para o mundo".

Quando um banqueiro vê em um ex-sindicalista -que era o terror da burguesia- "um exemplo para o mundo", só posso mesmo achar que já vi tudo acontecer e seu contrário também.

Ainda mais que Rhodes cobrou ontem, brincando, o texto que fiz em 2005 com seu entusiasmo, mas não deixou de acrescentar: "Estou muito otimista" [com Dilma].

Fonte: Folha de S. Paulo - Opinião

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Segundo o Ipea, investir em políticas sociais contribui para o aumento do PIB

Os investimentos em políticas sociais do governo estão diretamente relacionados ao aumento do Produto Interno Bruto (PIB) e são alavancas para o crescimento com distribuição de renda, revelou estudo lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira (3/2), em Brasília (DF).

Em seu Comunicado nº 75, o Ipea revelou a importância que os gastos sociais adquiriram no Brasil para o crescimento da economia e a redução das desigualdades. Segundo o estudo – que usou como base dados o ano de 2006 – cada R$ 1 gasto com educação pública gera R$ 1,85 para o PIB, e o mesmo valor investido na saúde gera R$ 1,70. Foram considerados os gastos públicos assumidos pela União, pelos estados e municípios.

Ao comparar tipos diferentes de gasto social, a publicação concluiu que aquele destinado à educação é o que mais contribui para o crescimento do PIB, levando em conta a quantidade de atores envolvidos nesse setor e os efeitos da educação sobre setores-chave da economia.

“O gasto na educação não gera apenas conhecimento. Gera economia, já que ao pagar salário a professores aumenta-se o consumo, as vendas, os valores adicionados, salários, lucros, juros”, explicou o diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Jorge Abrahão, durante apresentação da pesquisa.

Por sua vez, quando se calcula o tipo de gasto social que tem o maior efeito multiplicador na renda das famílias, em primeiro lugar aparece o Programa Bolsa Família (PBF). Para cada R$ 1 incluído no programa, a renda das famílias se eleva 2,25%. A título de comparação, o gasto de R$ 1 com juros sobre a dívida pública gerará apenas R$ 0,71 de PIB e 1,34% de acréscimo na renda das famílias.

O texto afirma ainda que 56% dos gastos sociais retornam ao Tesouro na forma de tributos. “O gasto social não é neutro. Ele propicia crescimento com distribuição de renda. Ele foi muito importante para o Brasil superar a crise de 2008. Esse gasto tem uma grande importância como alavanca do desenvolvimento econômico e, logicamente, do bem-estar social”, concluiu Abrahão.


Publicação – O texto do Ipea explica como o gasto social, além de promover melhor distribuição de renda, passou a ser fator de crescimento do PIB do País e revela quais tipos de gasto social têm mais impacto no crescimento econômico do Brasil e na renda das famílias.

Entre os tipos de gasto analisados, estão aqueles com educação, saúde, previdência social e programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, entre outros. O estudo traz, também, a porcentagem do gasto social que volta para o Estado na forma de impostos.

Fonte: Blog do Planalto

Dilma no governo, pelo sociólogo Marcos Coimbra

Nossa cultura política valoriza os elementos pessoais da liderança, mitificando seus atributos. O interessante é que a presidente rompe com esse paradigma. Por Marcos Coimbra. Foto: Ricardo Stuckert

Nossa cultura política valoriza os elementos pessoais da liderança, mitificando seus atributos. O interessante é que a presidente rompe com esse paradigma

Neste começo de ano, a imprensa mostra que tem, para com a presidente Dilma, dificuldades parecidas com as que teve para com a candidata e a presidente eleita. É visível o desconforto que ela causa com seu discurso e suas ações. Enquanto a mídia quer que ela tire coelhos da cartola e surpreenda todo mundo, Dilma insiste em ser previsível.

A causa dos problemas é conhecida: a ideia de continuidade. Até agora nossos analistas não conseguiram entender o que significa uma coisa tão simples.

O tom geral da cobertura tem sido um misto de ânsia de encontrar a originalidade do governo e frustração por não conseguir identificá-la. É como se Dilma tivesse a obrigação de ser diferente, e, não o sendo, se tornasse uma “decepção”.

Nossa cultura política valoriza os elementos pessoais das lideranças, mitificando seus atributos e qualidades. Nos é difícil aceitar que elas não tenham traços que as distingam do cidadão comum, que as diferenciem da vida banal dos meros mortais. Para nós, o verdadeiro líder está além do povo, é feito de outra essência e possui uma transcendência inalcançável por ele.

No Brasil moderno, os três presidentes eleitos se apresentaram ao País como figuras excepcionais. Cada um a seu modo e tempo, Collor, Fernando Henrique e Lula foram assim caracterizados por suas campanhas e pela mídia, e foram assim percebidos pelas pessoas. Todos se tornaram personagens épicos.

Importa pouco como cada um terminou. Se Collor, de “jovem caçador destemido”, acabou cassado. Se a “inteligência portentosa” de Fernando Henrique, que o levou a derrotar a inflação, não o livrou do fracasso dos últimos anos. Se Lula, de metalúrgico nordestino “sincero, porém radical”, revelou-se um grande presidente, na opinião quase unânime dos brasileiros.

O relevante é que todos eram “extraordinários”. Até aqueles que chegaram ao posto pela força das circunstâncias vieram a ser assim percebidos, ao menos por alguns, pelo menos durante certos momentos. Mesmo Sarney e Itamar tiveram seus dias de carisma.

Nesse modelo, a transição de um governo para outro sempre foi uma espécie de batalha (ainda que civilizada), cujo ápice eram os discursos de posse. Por meio deles, o novo presidente revelava quão diferente seria do anterior, em meio a frases de efeito e rompantes de eloquência. Não por outra razão, esses discursos precisavam ser esquadrinhados minuciosamente.

Nas eleições de 2010, Lula propôs outro enredo. Em vez de procurar no PT quem mais pudesse encarnar uma nova personalidade mitológica, pensou em alguém com qualidades terrenas. No lugar de imaginar uma agenda de campanha que acenasse para os sonhos, outra que todos conheciam, pois estava sendo implantada por seu governo.

Há quem veja a originalidade de Dilma no gênero, mas ela não é a mais importante. Por mais significativo que seja termos uma mulher na Presidência, a verdadeira mudança trazida por sua eleição não é essa. O decisivo é que Dilma rompe com o modelo da excepcionalidade do governante.

Para entender esse ponto, basta imaginar o que teríamos se Marina Silva tivesse vencido. Seria uma presidente mulher, mas que manteria ou, mais provavelmente, que acentuaria o arquétipo do presidente-herói (ou da presidente-heroína, tanto faz), de valorização das “biografias excepcionais”. Eleita, Marina representaria a consagração do carisma como fundamento da legitimidade presidencial.

Ninguém votou em Dilma sem saber o que ela diria no Congresso, na hora em que tomasse posse. Ninguém ficou ansioso querendo descobrir como seria seu ministério, ninguém aguardou revelações de seus ministros a respeito de novas políticas.

Em face da perplexidade da mídia, o curioso é que não há, no modo como começa o governo, nada de imprevisível. Foi isso que Dilma prometeu ao País, foi isso que ela disse que faria.

E foi isso que os eleitores entenderam e quiseram. O mais importante na eleição de Dilma é que seu caráter inovador foi submetido ao povo e por ele referendado. Foi o eleitor que quis que passássemos a ver que a Presidência da República pode ser ocupada por uma pessoa comum (desde, é claro, que seja qualificada e que represente o lado com o qual ele mais se identifica).

. Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi. Também é colunista do Correio Braziliense.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Educação Permanente: GT Itaipu-Saúde reúne profissionais de três países

Um grupo de cerca de 50 médicos, psicólogos e enfermeiros do Brasil, Paraguai e da Argentina estão em Itaipu nesta semana para participar de um curso para a formação de facilitadores em Educação Permanente em Saúde. A capacitação traçará um panorama do setor nos três países e ajudará os participantes a definir estrategias coletivas nesta área.

As atividades, que começaram na terça-feira (1) e vão até sexta-feira (3), são promovidas pelo Grupo de Trabalho Itaipu-Saúde. Os encontros ocorrem no centro de treinamento da margem direita.
   
O treinamento pretende dar ao profissional da saúde uma nova visão sobre a área. Além de atender os pacientes, ele também deve discutir as causas e o modelo mais adequado para tratar doenças comuns nas unidades básicas. “Pode até parecer uma ação simples, mas ainda é muito rara”, afirmou a psicóloga Delba Barros, facilitadora do curso promovido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) (foto).

No Brasil, por exemplo, os gestores das unidades básicas podem solicitar verbas do Ministério da Saúde para capacitar os trabalhadores da área. Esses facilitadores poderão ser os responsáveis também por captar os recursos.

Atualmente, Brasil, Paraguai e Argentina adotam políticas públicas de educação permanente na área da saúde. Apesar deste avanço, o problema reside na postura de profissionais. Poucos reservam um espaço na agenda para discutir com os colegas a melhor forma de curar, por exemplo, uma meningite ou a dengue. Ou, ainda, ouvir a impressão do usuário sobre o problema, segundo Delba.

Na opinião da psicóloga, a análise da situação local pode ajudar os governos a elaborar programas mais eficazes para evitar a mortalidade e garantir melhor qualidade de vida à população.

A troca de experiências é um passo para este processo de melhoria. Outro é a capacitação dos técnicos de saúde, que atuam diretamente com a população, como a promovida pelo GT Itaipu-Saúde. “Quando existe este debate, os problemas são conhecidos e as soluções aparecem”, finalizou Delba.

Fonte: JIE

No dia da posse: Gleisi reafirma seu compromisso com os paranaenses

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Dilma propõe 'pacto de avanço social' para erradicar miséria

A presidente Dilma Rousseff reafirmou nesta quarta (2), na mensagem do governo ao Congresso Nacional, o compromisso que havia assumido no discurso de posse: o de erradicar a miséria. Ela conclamou os governantes municipais e estaduais a se unirem em um "pacto de avanço social" para eliminar a miséria. Mas ressalvou que a missão não se restringe ao governo. "É uma missão de todos os brasileiros", afirmou.

Leia a íntegra da mensagem de Dilma

"O Brasil não pode aceitar mais que milhões de pessoas vivam na miseria, que não tenham alimentação, que continuem vivendo na miséria, que não tenham um teto para viver", afirmou no plenário da Câmara, sob o aplauso dos congressistas.

Segundo a presidente, o governo "não permitirá" que a inflação e prejudique os mais pobres. "Manteremos a estabilidade da economia como valor absoluto. Reafirmo que não permitiremos em nenhum hipótese que a inflação volte a corroer nosso tecido econômico e a penalizar os mais pobres", declarou.

Confira outros pontos do discurso da presidente no Congresso:

Salário mínimo

Dilma afirmou que enviará ao Congresso uma proposta de reajuste do salário mínimo "conforme estabelece a lei". Segundo ela, "os salários dos trabalhadores terão ganhos reais e serão compatíveis com a condição financeira do estado brasileiro"

Educação

A presidente destacou a educação como uma das "prioridades centrais" do governo. Ela prometeu apoio aos municípios para ampliar a oferta de creches e pré-escola e disse que irá ampliar a oferta de vagas pelo Programa Universidade para Todos (Prouni).

Chuvas

Ela afirmou que o governo investirá "pesado" em prevenção para evitar tragédias como a das chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro.

"Determinei a implementação de um sistema de alerta e prevenção de desastres naturais, será possível alertar para que as populações sejam retiradas das áreas de risco . O que aconteceu na região serrana do Rio mostra que isso não pode continuar, investiremos pesado para a prevenção. Juntamente com os municípios faremos obras de prevenção e oferecemos novas habitações por meio do Minha Casa Minha Vida", disse.

Saúde
A presidente estipulou uma meta de criação de 500 Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) com investimentos de R$ 2,6 bilhões. Segundo ela, serão aplicados ainda R$ 2,5 bilhôes em unidades básicas de saúdes e na criação de infraestrutura de apoio para as equipes de saúde da família.

PAC
"Retomamos com o PAC a capacidade de planejar a longo prazo, a determinação do governo em induzir o crescimento do país será aprofundado já em 2011 com o PAC 2 e com a segunda fase do programa Minha Casa minha Vida", declarou.

Fonte: G1

Gleisi Hoffmann toma posse como senadora

Gleisi Hoffmann é a nova senadora do Paraná.

 Fazendo o juramento.
Bancada feminina no Senado Federal.

Fonte: Glieisi.com

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Congresso reabre trabalhos

O Congresso reabriu seus trabalhos na manhã desta terça-feira, com a posse de 513 deputados e 54 dos 81 senadores - 27 dão continuidade aos seus mandatos iniciados em 2008. Entre eles, a primeira senadora eleita pelo Paraná, Gleisi Hoffmann e Roberto Requião.

Abertas simultaneamente, por volta das 10 horas da manhã, as duas cerimônias ajudaram a evidenciar a maioria do PT e do PMDB, dois maiores partidos da base aliada ao governo da presidenta Dilma Rousseff.

Foto: Agência Estado