segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Gleisi: Vamos ter o melhor e maior investimento na Saúde no Paraná


A candidata à governadora, Gleisi Hoffmann, cumpriu agenda na Região Oeste na manhã desta segunda-feira (29) e concedeu entrevista à Rádio Colméia e à TV Tarobá. Gleisi também realizou caminhada no calçadão central de Cascavel, onde cumprimentou comerciantes, moradores,  tirou fotos e recebeu declarações de apoio. Acompanhou a candidata o deputado estadual Professor Lemos.
Em entrevista à Rádio Colméia, Gleisi destacou algumas de suas ações como senadora, falou das propostas de governo para o Paraná e criticou a ineficiência e falta de competência do atual governador para administrar o estado.


“Um dos meus primeiros projetos de lei foi o que extinguimos o chamado auxílio-paletó, o pagamento de 14º e 15º salários aos parlamentares. Não acho justo que se o cidadão só tenha direito ao 13º salário, os parlamentares recebessem 14º e 15º salários” relembrou.


Perguntada sobre como será os investimentos da saúde para a região em seu governo, a candidata disparou com propostas concretas de investimentos na saúde é apontou as falhas do atual governo.

 

“Vamos ter o melhor e maior investimento na Saúde no Paraná. Meu candidato a vice, Haroldo Ferreira, é médico pediatra, elaboramos juntos nosso plano de saúde e vamos acabar com as filas e investir de preferência mais que o necessário (12%), coisa  que o atual governador não investiu”, destacou.
 

Em Cascavel, Gleisi disse que uma de suas emendas como senadora foi para levar o consórcio municipal para a construção do Hospital Municipal. “Sei que está em construção e teve um problema de licença ambiental, mas será uma realidade para a população quando concluído. Mas o Estado precisa aportar os pequenos hospitais, investir, colocar dinheiro.”
 

A candidata disse ainda que hoje o governo federal banca a maior parte da saúde nos estados, sendo o maior orçamento da União, que investe 15% da receita e cumpre rigorosamente a distribuição para todos estados. Já o governador não cumpriu e ainda divulga que em 2014 vai atingir 14%.
 

“Não é mérito do atual governador dizer por aí que vai fechar o ano com 14% investidos na Saúde. É obrigação dele investir 14%, porque ele fez um acordo na justiça dizendo que iria aplicar em 2014 o que não aplicou em  2013, ou seja, os 12% de 2013 mais 2% que acordou na Justiça”, explicou  Gleisi.
 

O prometido centro de especialidades na campanha passada pelo atual governador também foi tema da entrevista.
 

“Por que ele não fez em quatro anos de governo assim como prometeu? E o hospital municipal, por que não fez? Não fez, e não vai fazer. O que o governador faz de melhor é propaganda. Do jeito que ele divulga suas ações parece que o Paraná é uma ilha que não tem problema nenhum e que tudo se resolve aqui. Acho que ele não anda pelos bairros, pelas portas dos hospitais e não vai nos presídios. 
Não podemos ter um governo com mais quatro anos de paralisia e de promessas não cumpridas”, falou Gleisi.
 
Infraestrutura
 

Gleisi comentou dos investimentos de insfraestrutura que é fundamental para a região oeste.
“Cascavel e região têm muito potencial na área agrícola e industrial. Em nosso governo vamos buscar novos projetos e trazer recursos para a melhoria das estradas e dar assim uma condição de logística ideal para o escoamento da produção local”, disse.

 

O Contorno de Cascavel, o Hospital Universitário, a criação do Instituto Federal de Educação Tecnológica, as mais de 8 mil unidades do Minha Casa Minha Vida, são alguns dos grandes  investimentos do governo federal na região.
 

“O governo federal investiu muito na região, mas o difícil é ouvir no programa do governador ele afirmar que foi ele quem construiu as casas. Mentira! Desafio ele a provar qual a parte de investimento que o Paraná teve participação para construir as mais de 8 mil casas. Nenhuma! Ele só fez a ligação de água e luz que é obrigação do estado”, esclareceu.
 

Outra obra importante destacada pela candidata foi a duplicação da BR 163. “Conseguimos tirar o pedágio da BR 163. Foi meu pedido na época para a presidenta Dilma. Logo teremos nossa 163 duplicada, que sempre foi o clamor, o pedido e a necessidade do nosso Oeste”, disse.
 

Além da duplicação dos dois trechos, os editais da BR-163 preveem a construção de uma nova ponte sobre o Rio Iguaçu e a recuperação da existente, passarelas, viadutos e trincheiras. O sistema empregado nas licitações é o RDC, Regime Diferenciado de Contratações.  
 

As obras vão beneficiar diretamente os municípios de Toledo, Quatro Pontes, Marechal Cândido Rondon, Mercedes, Terra Rocha, Guaíra, Cascavel, Lindoeste, Santa Lúcia, Capitão Leônidas Marques e Marmelândia.
 


Segundo turno
 

“Conheço os caminhos dos projetos para trazer recurso do governo federal para o Paraná e não tenho dúvidas que juntos podemos avançar. Com força de vontade, planejamento e trabalho e a parceria com o governo federal vamos fazer do Paraná um estado de mudanças verdadeiras e muita vontade política e a participação do estado com os municípios. Peço a oportunidade para discutirmos melhor as necessidades do nosso estado no segundo turno. Eu quero cuidar do Paraná como cuido da minha casa”, finalizou a candidata.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Abuso de poder: Richa terá que explicar repasse de recursos para jornais que enaltecem ações do governo



A coligação Paraná Olhando pra Frente entrou na Justiça Eleitoral com uma ação contra o candidato à reeleição, governador Beto Richa (PSDB), por abuso de poder político, econômico e uso indevido dos meios de comunicação.



Na ação, a coligação de Gleisi Hoffmann cita 13 jornais que vêm recebendo recursos do governo do estado e sistematicamente dispensam tratamento privilegiado a Beto Richa em seu conteúdo editorial.



Os jornais citados na ação são: Diário do Noroeste (Paranavaí); Diário do Norte (Maringá); O Presente (Ponta Grossa); O Paraná, Hoje e Tribuna do Povo (Cascavel); Folha de Londrina (Londrina); Diário dos Campos (Ponta Grossa); Diário de Guarapuava e Diário do Sudoeste (Guarapuava e Pato Branco); Gazeta do Paraná (Cascavel); Jornal de Beltrão (Francisco Beltrão); Gazeta Regional (Goioerê).



“O Governo Beto Richa, conforme afirma o próprio Tribunal de Contas, aumentou em 668% os gastos com publicidade.  Não surpreende, portanto, o tratamento dispensado por alguns jornais ao candidato à reeleição. Esse jornais que indicamos na ação receberam mais de R$ 5 milhões da atual administração”, explica o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando pra Frente, Luiz Fernando Pereira.



Caso seja condenado, o atual governador está sujeito inclusive a cassação do registro de candidatura. Na hipótese do julgamento ocorrer após a eleição e o governador for reeleito, estará sujeito a cassação do mandato.

fonte: Assessoria

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Por unanimidade, TRE confirma irregularidades nas contas de campanha de Beto Richa

Por unanimidade de votos, os juízes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR) confirmaram a existência de irregularidades nas contas de campanha do candidato à reeleição, governador Beto Richa (PSDB).

Decisão pode resultar na reprovação das contas de Richa.

A manifestação atende a representação da coligação Paraná Olhando pra Frente, que tem Gleisi Hoffmann como candidata à governadora.

Contrariando a legislação eleitoral, Richa entregou zerada a primeira prestação de contas, alegando que não arrecadou e nem gastou nada em um mês de campanha.

As regras de contabilidade de campanha – estabelecidas pela resolução 23.406 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – deixam claro que “os gastos eleitorais efetivam-se na data da sua contratação, independentemente da realização do seu pagamento”.

Na decisão, a Corte acompanha manifestação da relatora, desembargadora Renata Baganha, que afirma que “os elementos e fundamentos trazidos aos autos confirmam que houve, efetivamente, o descumprimento do dever legal de prestar contas parciais pelos representados, do que, por si só, decorre a quebra dos princípios de isonomia e transparência necessária à democracia e à condução do pleito eleitoral, o que ocasiona a ausência de igualdade e oportunidade entre os candidatos”.

Para comprovar que Richa havia realizado gastos no primeiro mês de campanha, a coligação de Gleisi Hoffmann apresentou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR) adesivos, panfletos, fotos e notícias veiculadas na internet que mostram o governador inaugurando comitês e participando de eventos de campanha em diversas regiões do Paraná.

Em outro trecho, a relatora reafirma que “foram ao menos contratados, pelos representados, diversas despesas de campanha, as quais, em infração aos artigos supra mencionados, não haviam sido apresentados nas contas parciais, ferindo a igualdade do pleito”.


Fonte: Assessoria

"Se Beto for reeleito, as desculpas vão continuar" diz Gleisi em São José dos Pinhais

A candidata à governadora Gleisi Hoffmann, disse na noite deste sábado, (20), em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba que se o governador Beto Richa for reeleito, seu segundo mandato será de novas desculpas para justificar a incompetência administrativa e a falta de obras e investimentos no estado.

“Se nós tivermos mais quatro anos deste governo vamos ter prejuízos irrecuperáveis para o Paraná. Vamos continuar ouvindo a mesma ladainha, que é perseguido, que é coitado, que está sempre surpreso com as notícias que mostram o fracasso do seu governo”, afirmou.

Ela participou, junto com o candidato ao Senado, Ricardo Gomyde, de um evento com militantes e apoiadores dos municípios de Araucária, Campo Largo, Lapa, Pinhais, Piraquara e Rio Branco do Sul. Estiveram presentes os prefeitos de Pinhais, Luizão Goulart, de Adrianópolis, João Manoel Pampanini, o deputado estadual Tadeu Veneri, além do sociólogo Emir Sader.

Gleisi elencou as promessas não cumpridas pelo candidato à reeleição, entre elas a construção de centros regionais de especialidades, promessa de 2010 que voltou ao plano de governo nesta eleição.

“Ele prometeu também que iria construir 6 mil novas vagas em presídios. Tinha dinheiro do governo federal disponível, mas não fez. Apesar disso, na propaganda eleitoral ele está dizendo que construiu as 6 mil novas vagas, uma mentira.”

A candidata enfatizou que o governo estadual usa os programas e políticas do governo federal como se fossem seus.


“Na habitação, ele prometeu e disse que está entregando 120 mil moradias. Mas é mentira, não é do governo estadual, é do Programa Minha Casa Minha Vida. Alguém que mente desse jeito, que se apropria dos programas do governo federal não merece a confiança dos paranaenses. Alguém que promete e não faz, vai continuar não fazendo nada" destacou Gleisi.


Fonte: Assessoria

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Confira a entrevista de Gleisi ao Paraná TV, da RPC TV

A candidata ao Governo do Estado do Paraná, Gleisi Hoffmann, concedeu entrevista ao jornalista Sandro Dalpícolo, do Paraná TV, da RPC TV.

Clique e confira a entrevista



Por que Gleisi?, por Jorge Samek

Chegamos à reta final da campanha eleitoral. Restam menos de três semanas antes do 1º turno para que os eleitores consolidem as suas escolhas.


É hora de transformar a intenção de voto, aferida pelas pesquisas, em decisão de voto, a ser registrada na urna eletrônica.
 

Até que os eleitores e as eleitoras se pronunciem, o que temos são apenas preferências e simpatias por este ou por aquele candidato.Minha candidata ao Governo do Paraná é a senadora Gleisi Hoffmann. 

Nos meus mais de 30 anos de vida pública, em raríssimas ocasiões conheci uma pessoa mais bem preparada e mais qualificada para o cargo público a que se candidatou.

Conheço e convivo com a Gleisi desde 1985. Ainda uma jovem advogada recém-formada, ela trabalhou comigo na Câmara Municipal de Curitiba, no final dos anos 80 e início dos anos 90. 


Voltamos a trabalhar juntos na Itaipu Binacional, de 2003 a 2006.Sua capacidade de trabalho sempre me impressionou. Com disciplina e método, ela se especializou em orçamento e gestão pública.

Sua trajetória profissional singular a permitiu acumular uma invejável experiência nos três níveis de governo. Após o legislativo municipal, foi para a Câmara Federal, como assessora parlamentar.
Em seguida, integrou administrações estadual e municipal, como secretária da Fazenda em Mato Grosso do Sul e Londrina. 



Finalmente, ocupou cargos de destaque na administração federal, onde lapidou sua reputação de gestora competente, séria e realizadora.Em 2002, Gleisi foi convidada pelo presidente Lula para fazer parte da sua equipe de transição. Demonstrou tanta competência que recebeu o convite para assumir a Diretoria Financeira Executiva da Itaipu Binacional, tornando-se a primeira mulher a ocupar cargo de diretora da empresa.


Fez uma gestão exemplar e empreendedora, que ajudou a transformar a forma de atuação da empresa.
 

Durante a sua gestão, comandou um processo inédito de planejamento estratégico, que resultou na revisão e ampliação da missão institucional de Itaipu, incorporando a responsabilidade social e a sustentabilidade como valores centrais. A marca que Gleisi deixou em Itaipu é de uma mulher de ação, que reúne três atributos raros: competência técnica, sensibilidade social e habilidade política.

Sob sua liderança, Itaipu criou uma coordenadoria de responsabilidade social e lançou programas e projetos que ampliaram significativamente a sua presença nas comunidades do seu entorno.


Por sua iniciativa, Itaipu adotou uma política de equidade de gênero que é hoje referência para o setor elétrico.Quando Gleisi deixou Itaipu para concorrer ao Senado, já sabíamos que ela estava destinada a voos mais altos. Na eleição de 2006, surpreendendo o mundo político paranaense, ela beliscou a vaga.


Mas em 2010, com uma votação consagradora, os paranaenses elegeram-na para representá-los no Senado. A primeira mulher que o Estado enviou para o Senado Federal. E Gleisi deu conta do recado, conquistando rapidamente o reconhecimento dos seus pares.Quando começou a brilhar no Senado, veio uma convocação da Presidenta Dilma, que a nomeou Chefe da Casa Civil, com a difícil missão de coordenar toda ação de governo e supervisionar o Programa de Aceleração do Crescimento PAC 2.


Durante três anos, Gleisi garantiu, literalmente, o bom funcionamento da máquina do Governo Federal. O seu desempenho no cargo foi, mais uma vez, exemplar. Enquanto esteve na Casa Civil, sem fazer alarde, Gleisi ajudou a trazer importantes investimentos federais para o Paraná, viabilizando obras de infraestrutura há muito tempo reivindicadas pelo Estado.


Ela demonstrou que, com competência e criatividade para encontrar as melhores soluções, é possível fazer mais e com mais qualidade. Nunca o Paraná recebeu tantos investimentos federais quanto nesse período.Com esta bagagem, Gleisi está preparadíssima para o desafio de ser governadora do Paraná, tornando-se a primeira mulher eleita pelo voto popular para o cargo. Ela já está acostumada a ser desbravadora.


Em todos os cargos públicos que já ocupou, destacou-se pela sua competência e probidade. Não será diferente no Governo do Estado. Quem tem uma candidata com as qualidades e virtudes da Gleisi não precisa perder tempo falando mal dos adversários.É por isso que decidi aproveitar minhas férias, há muito tempo adiadas, para percorrer o Estado e ajudar a construir a grande virada que vai levar Gleisi ao 2º turno e pavimentar o caminho para a vitória.


O Paraná não pode perder essa oportunidade por falta de ousadia. A hora da decisão chegou. Gleisi é uma escolha certa e segura de quem acredita que “mudar é olhar para frente”. O Paraná merece a melhor!



*Jorge M. Samek, é agrônomo e diretor-geral licenciado da Itaipu

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Gleisi destaca importância de Foz para o desenvolvimento do Paraná

A candidata ao governo estadual pela coligação Paraná Olhando Pra Frente, Gleisi Hoffmann, esteve em Foz do Iguaçu nesta segunda-feira, (15). Acompanhada do candidato ao Senado Ricardo Gomyde, Gleisi apresentou as propostas de seu Plano de Governo ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Codefoz) e recebeu da entidade um documento com as reivindicações da sociedade civil organizada para os candidatos a governador.
Gleisi disse que Foz do Iguaçu é estratégica para o desenvolvimento do Paraná e do Brasil. “Considero a região de fronteira uma das mais importantes do estado. Temos aqui uma relação internacional com os países vizinhos que pode nos dar grandes oportunidades." Ela enfatizou que o governo do estado vai ser um agente agregador dos setores produtivos locais.

A candidata lembrou que a relação entre Paraguai e Brasil passa necessariamente por Foz do Iguaçu e que o estímulo ao desenvolvimento econômico e social da cidade é fundamental para combater problemas estruturantes da região de fronteira.“Precisamos ter uma visão de conjunto de desenvolvimento da fronteira porque, com o desenvolvimento econômico vamos enfrentar problemas que advém da segurança, por exemplo."

Gleisi disse que a cidade terá uma representação forte no governo do estado e que o desenvolvimento econômico local precisa estar integrado ao estadual. “Não tem como fazer o desenvolvimento do estado se não olharmos para cada região especificamente. A visão de territorialidade vai ser o instrumento mais poderoso para nosso desenvolvimento.”

Ela também falou sobre saúde pública, que será prioridade de seu governo, educação básica e superior e obras de infraestrutura que a região precisa.

Entre as reivindicações do Codefoz para o governo estadual está a consolidação do Programa do Biogás no oeste paranaense, a construção de viadutos e a duplicação da BR-277, além da implantação do polo têxtil de Foz do Iguaçu. O documento foi entregue à candidata pelo presidente da entidade, Danilo Vendruscolo.



Fonte: assessoria

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

"Peço aos paranaenses: leiam a entrevista de Richa na Gazeta antes de definir voto", Gleisi

“Se estivesse tudo bom, não buscaria a reeleição”, disse Richa

 
Como paranaense fiquei envergonhada com o teor da entrevista do governador Beto Richa, publicada na edição desta sexta-feira (12) no jornal Gazeta do Povo.

Faço um apelo a todos para que leiam a entrevista antes de definir em quem votar.

Mais uma vez, o atual governador demonstrou incapacidade e desconhecimento para responder perguntas em relação as suas ações no comando do Paraná.

A sequência de respostas vazias, sem nenhum conteúdo, explica porque o Paraná vem sendo tão mal administrado nos últimos anos. Isso se reflete agora na vergonhosa queda do Paraná no índice de Desenvolvimento da Educação Básica(Ideb), no sucateado sistema de saúde que sequer recebeu do governo estadual o investimento mínimo de 12% previsto na constituição, no caos vivenciado no sistema penitenciário que, sem nenhum investimento e criação de vagas, resultou em três rebeliões no interior do Estado nos últimos 20 dias.

Mais uma vez, se mostrou surpreso ao ser questionado por situações ocorridas em seu governo. Total falta de compromisso.

A entrevista veiculada pela Gazeta do Povo só reforça esse fato. A falta de competência e de comprometimento em trabalhar para o desenvolvimento do Estado ficam evidentes nas frases do governador que, por muitas vezes, utiliza da desfaçatez e até mesmo da ironia para esquivar-se de perguntas. Sem a ajuda da publicidade e do marketing eleitoral que sempre o acompanharam, o governador revelou despreparo para lidar com assuntos que envolvem o Estado.

Gleisi Hoffmann
Clique aqui para ler a entrevista concedida pelo governador Beto Richa a Gazeta do Povo (12/09/2014)

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Samek se afasta da Itaipu para participar de campanha eleitoral





O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, ficará afastado do cargo pelas próximas três semanas, a partir de sexta-feira (12), para dedicar-se à campanha eleitoral. Durante esse período, ele será substituído interinamente pelo diretor técnico executivo, Airton Langaro Dipp, que acumulará os dois cargos. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (11), durante a reunião da Diretoria Executiva, no Edifício da Produção da usina, em Foz do Iguaçu.

Para engajar-se na campanha pela reeleição da presidente Dilma Rousseff e na campanha ao Governo do Estado de Gleisi Hoffmman, Samek preferiu lançar mão de férias vencidas e não fruídas, desvinculando-se inteiramente das suas funções executivas na Itaipu. “Fora da empresa vou poder participar ativamente, como cidadão e militante político, do debate de ideias, modelos de gestão e propostas de políticas públicas para que o Brasil e o Paraná continuem avançando”, declarou.

Gestor público com perfil técnico

O engenheiro Airton Dipp, de 63 anos, assumiu o cargo de diretor técnico executivo de Itaipu em 24 de março deste ano. Formado em engenharia pela UFRGS e pós-graduado em Engenharia de Segurança e em Estruturas de Concreto Armado, Dipp tem larga experiência em gestão pública. Foi secretário municipal de Obras de Passo Fundo (RS), secretário de Minas e Energia do Rio Grande do Sul, deputado federal e prefeito de Passo Fundo por três mandatos (1989-1992, 2005-2008 e 2009-2012).

Ao assumir a diretoria técnica de Itaipu no ano em que a empresa completa 30 anos de operação, Dipp encontrou uma equipe motivada pelos sucessivos recordes mundiais de produção de energia nos últimos dois anos.

“O profissionalismo, a competência técnica e o espírito de equipe são o grande diferencial que encontrei na Diretoria Técnica. Percebo que estes valores são compartilhados por todos os empregados de Itaipu”, afirmou Dipp. “Nossa missão é dar continuidade ao trabalho que granjeou o respeito e o prestígio que Itaipu conquistou, servindo aos interesses do Brasil e do Paraguai. O compromisso com a transparência é a marca desta gestão, da qual me orgulho de fazer parte.”

Fonte: Assessoria

Momento histórico para Foz com apoio de Gleisi Hoffmann, por Reni Pereira

Acesse e compartilhe este vídeo.


quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Sobre Rodas de setembro está recheada de lançamentos



capa ok


A edição 39 da Revista Sobre Rodas, no mês de setembro, está repleta de lançamentos e de carros premiados.

imagem610Entre os mais queridos, estão o Fox e Saveiro Cros.  Para a Saveiro, a VW dispensou a engenharia de construir uma terceira porta para facilitar o acesso ao banco traseiro e oferece duas portas maiores, espaço para cinco ocupantes e equipamentos de segurança.

Já o Fox, lançado em 2003 e com uma reestilização em 2009, ganhou visual ao estilo Golf. Está com frente totalmente renovada (capô, faróis e para-choques), além da traseira com belas lanternas horizontais, seguindo a linha dos irmãos Golf, Jetta e Passat.

City traseira 1Depois do sucesso dos novos FIT e CIVIC a Honda apresenta a segunda geração do CITY. Produzido na fábrica de Sumaré, em São Paulo, o modelo será oferecido em três versões (DX, EX e EXL), com preços entre R$ 53.900 e R$ 69 mil. Para fazer um test-drive e conhecer toda a e tecnologia do City, basta visitar a Enjin, concessionárias da montadora japonesa em Foz do Iguaçu, Cascavel, Toledo e Umuarama.

hb20_1 
Na lista das novidades, está também o Uno 2015. Ele mudou de nome, cresceu e, enfim, se modernizou. Líder de vendas no mercado brasileiro, a Fiat reagiu ao surgimento de novos modelos e hatches reestilizados (Volkswagen up!, Ford Ka, Nissan March, Hyundai HB20 e Toyota Etios). Assim, escolheu a charmosa Buenos Aires para desvendar as formas atualizadas do novo Uno. A Sobre Rodas este lá e trouxe todas as novidades.

Premiados

Entre os premiados, a Sobre Rodas elegeu três para compartilhar com os leitores.O Hyundai HB20 é o hatch com os donos mais satisfeitos, segundo a pesquisa VOSS Brasil 2014 (Vehicle Ownership Satisfaction Study), da JD Power. Para dar o veredicto, a comissão organizadora ouviu aproximadamente nove mil proprietários de veículos vendidos entre 2011 e 2012 em todo o Brasil.



Já o prêmio de melhor sedã compacto ficou com o Renault Logan. O Logan foi também o grande campeão do prêmio “Melhor Compra”, da revista Quatro Rodas na edição 2014. O sedã da Renault também ganhou na categoria até R$ 40.000 com a versão Expression 1.6.

Nov--Renault-Logan-Dynamique (34)O Renault Duster Tech Road II, com motor 2.0 e tração 4×2, foi eleito a melhor compra entre os utilitários-esportivos que custam até R$ 80.000. Além do bom espaço interno e robustez, o destaque dessa série limitada é o Media NAV, com tela de 7 polegadas integrada ao painel com GPS, Bluetooth e rádio.

Sociais

Nas páginas da Sobre Rodas, o leitor encontrará também uma matéria especial sobre os veículos elétricos e tudo que rolou na Exposição “Do Passado ao Futuro”, no Cataratas JL Shopping.
Para completar, dose dupla de entrevistas. Uma com o militante político e assistente do diretor-geral da Itaipu, Joel de Lima e outra com o empresário André Marques.
Para deixar o passeio mais leve, contos perversos.

Vale a pena percorrer cada página. ;)

“Nunca vi um governo tão ruim de gestão” , afirma Gleisi à Gazeta do Povo

Antônio More/ Gazeta do Povo /

Confira a entrevista que a candidata do PT Gleisi Hoffmann ao Governo do Paraná ao Jornal Gazeta do Povo.


Candidata do PT ao Palácio Iguaçu, a senadora Gleisi Hoffmann faz um retrato sombrio do governo Beto Richa (PSDB). Em sabatina na Gazeta do Povo, ontem, prometeu rever uma série de ações do tucano, como a política de gestão da Copel e das Unidades Paraná Seguro. “Eu nunca vi um governo tão ruim do ponto de vista de gestão como este que está aí, entregando um estado quebrado, defasado, numa situação muito difícil”, disse. Gleisi se defendeu das acusações de que o governo federal teria promovido um boicote para prejudicar Richa e ajudá-la eleitoralmente. A senadora descreveu duas audiências do governador com a presidente Dilma Rousseff, quando ele teria pedido a prorrogação dos contratos das empresas de pedágio. “Uma negociação de quanto? 30% a menos [na tarifa] e ficar mais 25 anos [a mais] pagando pedágio? São essas propostas que ele levou”, afirmou. A petista abriu a série de sabatinas com os três principais candidatos a governador. Para hoje, está agendada a participação do senador Roberto Requião (PMDB). Amanhã será a vez de Richa.



O atual governo teve dificuldades financeiras e acumulou uma dívida com fornecedores que chegou a mais de R$ 1 bilhão. A justificativa do governador Richa é de que houve um boicote do governo federal, com objetivo de ajudá-la politicamente. A sra. boicotou o Paraná?
Isso é uma mentira absurda para tentar justificar a incompetência administrativa que há muito tempo não víamos no Paraná. Nunca vi um governo tão ruim do ponto de vista de gestão como este, entregando um estado quebrado, numa situação muito difícil. Qual é a grande obra que este governo fez? Qual é o programa social? O governo não cumpriu o limite de despesas com pessoal em relação à Lei de Responsabilidade Fiscal. Quando acertou isso, não comprovou os 12% de investimento [mínimo] na saúde em relação à sua receita. Tanto que o Ministério da Fazenda disse que era melhor conseguir uma sentença judicial que obrigasse o governo federal a liberar do que ele [ministério] ter que explicar no Tribunal de Contas, no Congresso porque avalizou uma operação de crédito com juro subsidiado sem ter todas as questões legais definidas. Foi uma orientação do próprio Tesouro Nacional [a ação judicial que liberou os empréstimos]. Ele [Richa] administrou em três anos e meio mais de R$ 100 bilhões e vocês acham que por R$ 817 milhões [valor do empréstimo do Proinveste] o estado estaria quebrado?
 

O governador sempre cita uma reportagem da Gazeta do Povo que aponta que o Paraná, entre 2002 e 2013, contribuiu com R$ 42 para a União e recebeu de volta R$ 1 em investimentos. Como mudar este cenário?
Você está falando de [dados que também abrangem] um governo do PSDB [2002]. Então não há de se falar em boicote político. Vocês pegaram o orçamento só de investimento, sem considerar custeio e sem considerar investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento [PAC], que não estão definidos por estados. Nós temos rubricas gerais do PAC, em conservação em rodovias, outras obras como as da Petrobras que foram feitas aqui. Se nós considerarmos isso, vamos estar em 4.º ou 5.º lugar em estados que recebem recursos da União.
 

Mas estados similares economicamente, como Santa Catarina e Rio Grande do Sul, tiveram muito mais investimentos.
Talvez nós não tivéssemos o mesmo perfil dos governadores que passaram por lá. Porque Rio Grande do Sul e Santa Catarina sempre foram muito ativos. Mesmo na época de Jaime Lerner, do [Roberto] Requião, do Beto... O Requião não queria investimentos no Paraná; dizia que era autossuficiente. O atual governador nem sequer apresenta projeto, não tem capacidade para isso, não sabe fazer. Agora está dizendo que fez um programa de habitação popular, oMorar Bem Paraná e, no final [da propaganda], diz que é em parceria com o governo federal. Quando interessa dizer que tem parceria ele coloca na televisão, mas não coloca um tostão no programa.
 

O governador reclama da dificuldade para conseguir audiência com a Presidência...
Ele teve duas audiências com a Presidência, mas foi para propor para prorrogar o pedágio, prorrogar a delegação das rodovias para ele fazer uma negociação com as concessionárias. Uma negociação de quanto? 30% a menos [na tarifa] e ficar mais 25 anos [a mais] pagando pedágio? São essas propostas que ele levou. Por duas vezes eu assisti às audiências. Estava negociando uma operação de crédito e nunca pediu uma audiência com o ministro da Fazenda. Eu acho lamentável, muito fraco esse governador.
 

Que dificuldades o governo federal encontra para liberar algumas obras como, por exemplo, no Porto de Paranaguá? Há dificuldades de planejamento ou erros de execução?
Não há justificativa para o Tribunal de Contas da União [TCU] ficar mais de um ano avaliando concessões de portos. É uma pena, nós estamos autorizando terminais de uso privado em todo o país. São mais de 24 autorizados, mais de R$ 9 bilhões em investimentos e não estamos conseguindo modernizar os portos. Tem a discussão da mudança da poligonal do Porto de Paranaguá e também o terminal de uso privado nos arredores de Paranaguá e nós não conseguimos liberar. Já entramos em um consenso com o porto. O grande investimento são seis novos berços, porque não há um problema de capacidade. Então, ao fazer o arrendamento dos terminais nós colocamos junto a construção dos berços. É uma pena que isso tenha acontecido.
 

A sra. tem dito que o atual governador não cumpriu 50% dos compromissos assumidos em 2010. Mas fizemos um levantamento sobre o PAC 2 no Paraná, em um período de três anos e meio, e 42% dos investimentos não andaram. Qual a diferença?
A execução de grande parte do PAC cabe ao governo do estado. Se você pegar saneamento, tem mais de R$ 3 bilhões na Sanepar do PAC para fazer obras no Paraná. A execução está baixa, mas o recurso está liberado. Se você pegar o que depende da União, como o Minha Casa Minha Vida, o Paraná tem 220 mil unidades contratadas e 170 mil já foram terminadas.
 

Ainda sobre a sua gestão na Casa Civil, houve o caso do ex-assessor da pasta Eduardo Gaievski, nomeado pela sra., que foi preso suspeito de pedofilia. Qual o seu balanço sobre isso?
Vocês sempre me perguntam sobre isso; a população em geral não me pergunta. É interessante: acharem que eu, que sou mãe de dois filhos, mulher, que sempre tive uma luta pelo direito das mulheres, contrataria alguém envolvido em pedofilia, que tem denúncias sobre isso... O Eduardo Gaievski foi prefeito de Realeza, eleito e reeleito.
 

A sra. foi eleita senadora e foi por três anos chefe da Casa Civil, mas não conseguiu montar um esquema político partidário que lhe desse maior sustentação nestas eleições. Houve incompetência política?
Eu fui ministra-chefe da Casa Civil e me dediquei muito ao trabalho no Palácio no Planalto. Não fiz propaganda do que eu fazia, dava pouca entrevista, não tinha condição de ficar viajando pelo estado. Quando a presidente Dilma me chamou, ela disse: “Você acabou de ser eleita senadora, mas eu queria que você não se dedicasse à política em termos de relacionamento com o Congresso ou partidos. Eu quero que você se dedique à gestão”. Trabalhei muito. Pode ter sido uma falha? Sim, mas era o compromisso que eu tinha. Obviamente que isso tem reflexo na articulação política.
 

Uma das pessoas que se colocou como candidato a senador na chapa da sra. foi o deputado André Vargas, que teve a cassação de mandato recomendada pelo Conselho de Ética da Câmara. Qual foi o papel dele na composição da sua candidatura?
Na composição das alianças, não teve atuação nenhuma, até porque nós fechamos as alianças recentemente. O André era um deputado importante para o Paraná. Ele participava das nossas discussões, mas nunca assumiu uma posição de coordenação [da campanha], até porque quem é candidato à eleição proporcional dificilmente assume esse papel. Ele participava como qualquer outro deputado.
 

Quanto esse episódio desgastou a sua candidatura? Como era sua relação com ele?
Acho que desgastou a política em geral. Porque é sempre mais uma denúncia. As pessoas estão cansadas disso. Agora, ele tem que responder pelos atos dele. Eu não sabia que ele tinha andado de avião com doleiro [Alberto Youssef], não sabia dessa relação. Eu conheço o André há muito tempo, militamos juntos. Mas não tinha informação sobre as atividades dele, a forma como ele fazia as articulações.
 

Os maiores escândalos de corrupção do governo federal do PT – o mensalão e a denúncia recente que envolve a Petrobras – têm relação com a base no Legislativo. Caso a sra. seja eleita, também chegará com pouco partidos de apoio na Assembleia. O que faria para garantir que não exista esse tipo de fisiologismo?
As coisas têm de ser claras: o parlamento tem direito a suas propostas, a fazer emendas orçamentárias. Acho que tem de ser tratado da seguinte maneira: qual projeto está em pauta? Colocar qual é a proposta e fazer a discussão franca com o parlamento. Não é uma situação simples, porque às vezes tem outros interesses por trás, mas eles têm de ser enfrentados.
 

Como a sra. avalia as recentes denúncias sobre a Petrobras?
Estão no âmbito da Polícia Federal. Eu não tive acesso a nenhum documento, não sei se vocês tiveram. Então é difícil comentar. Uma coisa é você ter a delação premiada e outra coisa é fazer a investigação em cima dela. Eu espero que a Polícia Federal e os órgãos de controle façam [a investigação] de forma clara.
 

Houve uma grande polêmica na época do reajuste da Copel. Como a sra. teria feito se fosse governadora?
Eu não teria pedido esse aumento. O conjunto de aumento nos últimos anos passou de 56%, sendo que a inflação no período foi de 26%. A Copel é uma holding: Copel Geradora, Copel Transmissora e Copel Distribuidora. O estado é o maior acionista, portanto, é o que tem mais peso nas decisões. Obviamente, eu preciso fazer distribuição de dividendos; eu abri meu capital. Mas é importante lembrar que, quando a gente faz distribuição de dividendo, vem dividendo também para quem é o seu maior acionista: o governo do estado. Se pegarmos o balanço da Copel e da Sanepar, o que mais cresceu nestes últimos anos não foi o investimento, foi a distribuição de dividendos. Inclusive partindo de 25% da distribuição do lucro para 50%. Quem mais pegou este dividendo? O governo. Por isso que eu não entendo a crise [financeira].
 

A sra. se comprometeria a diminuir o repasse de lucros?
Vamos fazer uma revisão completa na gestão da Copel. A energia no Paraná não vai ser trava para o nosso desenvolvimento nem custo elevado para o consumidor. Jamais vamos jogar para as costas do consumidor o lucro do acionista. Nós mexeremos para ter modicidade tarifária. Ter uma reposição é viável, mas jamais um aumento que seja o dobro da inflação.
 

As universidades estaduais consomem boa parte do orçamento. O que a sra. acha da federalização?
Sou contra. Nossas instituições de ensino são um patrimônio. Se você for pegar qual é o legado de uma UEL, de uma UEM, de uma UEPG, é muito grande. Temos que buscar formas de financiamento para as universidades, que podem ser parcerias com o governo federal, apresentando bons projetos.
 

Que mudanças a sra. pretende fazer na gestão da educação do estado?
A gente tem que fazer uma grande discussão, inclusive curricular, do ensino médio. Vamos ter essa oportunidade porque teremos que fazer o plano estadual de educação, com base no PNE [Plano Nacional de Educação]. A primeira coisa que nós vamos fazer é chamar a conferência estadual de educação. Como a gente vai implantar as diretrizes do PNE aqui no Paraná? Quais são as nossas metas, como ajudar os municípios? Temos um desafio que é ter pré-escola até 2016 para crianças de quatro a seis anos em todos os municípios. Tem município que não vai conseguir fazer isso sozinho; o estado vai ter que ajudar. Para finalizar, em termos de estrutura, nós vamos fazer o PAC Educação. Vamos reformar nossas escolas, ampliar. A questão física é importante.
 

Como a sra. vê a queda do estado no ranking do Ideb?
A política educacional tem que ter uma diretriz clara, e o estado não tem. Não discute com a comunidade escolar, deixou muito a desejar na interlocução com municípios. O Ensino Médio não é cuidado.
 

Tivemos uma rebelião grave recentemente, em Cascavel. Como a sra. vê a situação?
O governo federal dispôs de recursos para ajudar os estados a construir presídios estaduais. O Paraná, por exemplo, tem R$ 132 milhões à disposição. Já tinha mais de R$ 100 milhões desde 2011. Mas não foram apresentados projetos. Esses R$ 132 milhões aumentam em seis mil vagas. O Requião criou vagas, mas construiu grandes presídios centralizados, quando o correto seria fazer presídios menores, descentralizados e semiautomatizados. O problema é que nos últimos quatro anos não foi feito nada. O que eles [a atual gestão] fizeram foi tirar [os presos] da delegacia e mostrar na campanha. Basicamente, colocaram um colchão a mais numa cela de presídio e colocaram lá mais um preso, tirando da delegacia. Foram 18 rebeliões desde o ano passado até agora.
 

A sra. fala bastante em repetir experiências de monitoramento, como foi feito durante a Copa do Mundo, na segurança estadual. Como seria isso?
Esse [equipamento] da Copa foi doado para fazer o comando de controle da segurança como um todo. Nós temos, na União, financiamentos para equipamentos de segurança, para centros de controle. Nós poderíamos ter avançado muito em monitoramento, porque tem recurso federal para isso. Muito. Fui em Pinhais agora ver uma experiência que o Luizão [Goulart, prefeito do PT] fez lá; um centro de controle integrado. É uma coisa simples: uma sala com vários monitores, na qual eles têm registrado tudo o que acontece na cidade. Todas as saídas da cidade têm câmeras de segurança, as principais praças, as principais ruas. E melhorou muito: em um ano e pouco, eles reduziram o índice de criminalidade em 50%. É um investimento do governo federal, R$ 1,5 milhão. Nós podíamos ter feito vários desses centros de controle integrado com monitoramento.
 

Como vai funcionar esse projeto da Ronda Cidadã? Não é muito parecido com o Projeto Povo, do governo Requião?
As bases móveis da Ronda Cidadã serão como no programa do crack [Crack, É Possível Vencer]. São bases móveis equipadas com câmeras de vídeo, responsáveis por fazer o monitoramento de uma determinada região. Se numa região você tem um local mais problemático você vai colocar essa base ali, para ajudar o policiamento de viatura e ajudar a base referencial. Eles vão estar ligados aos centros de comando integrado, que vão fazer o controle territorial. É diferente do Povo, que era basicamente viaturas policiais nos bairros.
 

Como a senhora avalia a política de UPSs [Unidades Paraná Seguro] do governo estadual?
Primeiro, tenho que avaliar como estão as UPSs. O que me chega é que são contêineres quentes e que seria mais barato alugar uma casa para os policiais. E que não está tendo o resultado que se esperava. Não foi feita uma preparação, como no Rio. Não é só você colocar a polícia no local. O que me parece é que esse é um programa muito mais de marketing do que de segurança. 


Na área de saúde a sra. tem falado em integração, com ambulâncias do Samu e do Siate em todos os municípios, e em equipar os hospitais regionais, em mais médicos especialistas. Tem dinheiro para tudo isso?
Primeiro tem que cumprir a lei, colocar os 12% da receita em saúde, que o estado não faz hoje. Tem que fazer uma administração junto com os municípios e a União. Vem muito dinheiro do SUS para o sistema de saúde do Paraná e dos municípios. São mais de R$ 3 bilhões ou R$ 4 bilhões. Tem que ter uma boa gestão disso. Falo do Mais Médicos Especialistas porque é um absurdo a pessoa ficar cinco ou seis meses esperando uma por uma consulta com especialista. Hoje o estado não coloca nada de dinheiro para os consórcios municipais de saúde. Os consórcios se viram, juntam dinheiro e contratam um número de consultas. O problema é que nunca é suficiente para diminuir a fila. Tínhamos outro problema na assistência básica: a falta de médicos gerava uma demanda muito grande para especialistas e hospitais. Tinha uma desorganização, por isso a gente fez o Mais Médicos no governo federal. Não é um programa provisório, não é só a contratação de médicos estrangeiros; é a abertura de cursos de Medicina. Até 2017, vamos abrir 11,5 mil vagas. Já abrimos 6 mil. O último edital saiu com vagas para Umuarama, Pato Branco, Campo Mourão e Guarapuava. Não dava para ficar 8 anos esperando formar um médico, por isso trouxemos os médicos estrangeiros. Hoje temos 14 mil médicos no Brasil. Se a gente amarrar bem a saúde média, com exames e especialistas, reduziremos a demanda hospitalar.
 
Como ministra, a sra. poderia ter feito mais pelo Paraná?
Eu fiz tudo que estava dentro das minhas condições. Se tivesse o respaldo e uma aproximação maior do governo do estado, teríamos condições melhores. Quando eu me elegi senadora, uma das primeiras visitas que eu fiz foi para o governador [Beto Richa], disse que estava à disposição. Ficamos esperando mas não teve muitos encaminhamentos. Ele [Richa] foi duas vezes conversar comigo na Casa Civil, mas sem objetividade. Dessa visita que eu fiz, eles fizeram uma matéria no site do governo [Agência Estadual de Notícias] e não me colocaram na foto. Acho que já mostrava uma disposição no sentido de “não dá pra fazer junto porque isso pode virar uma disputa política”.
 

Em relação ao pedágio: como rever os contratos? As concessionárias dizem ser possível reduzir o valor da tarifa, desde que haja prorrogação dos contratos. A sra. concorda?
Não, de jeito nenhum. Qual seria o preço? 30% menos [na tarifa] por mais 25 anos? Não prorrogo. Vamos discutir os contratos à luz da legislação vigente. Contrato tem que ser cumprido, não posso dizer que vou baixar ou acabar. Mas temos mecanismos para rever situações ultrajantes. Minha primeira ação como senadora foi pedir para o TCU [Tribunal de Contas da União] fazer uma averiguação dos contratos. No início de 2012, o TCU soltou um acórdão dizendo que os pedágios aqui tinham um desequilíbrio econômico-financeiro em desfavor do usuário, porque as taxas internas de retorno estavam muito altas. O TCU deu um ano para o DER [Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná] fazer o reequilíbrio. O DER não fez e pediu um prazo. Depois as concessionárias entraram com recursos no TCU dizendo que o tribunal não era parte legítima para falar sobre contratos do Paraná. O governo do estado podia ter tomado a iniciativa. Ele [o governo] tinha na mão uma avaliação de um órgão de contas que fez também [o cálculo] para as rodovias federais. Podia ter chamado as concessionárias. As ações do Requião [movidas pelo governo quando Requião era governador] que estavam na Justiça não eram para reequilíbrio, eram para revogar os contratos. Aí chega o outro [Beto Richa] e vai para o governo federal dizer que queria prorrogar os contratos. Com que base? Qual a taxa interna de retorno? Se você fizer de novo as concessões dessas rodovias, aposto que cai para menos da metade do preço.
 

A sra. poderia citar três investimentos prioritários caso seja eleita?
Essa estrada que liga Curitiba a Almirante Tamandaré é uma vergonha. Acho que já teve umas três vezes o lançamento da ordem de serviço para a duplicação. Essa vai ser feita. Tem várias parcerias públicos-privadas, como a da PR-323 de Umuarama a Guaíra. É um gargalo que temos. E outras que podem ser com recursos federais, a obra do Contorno Sul [de Curitiba], que vai ser licitada nesse ano, só tem que aprovar o crédito. Tem o acesso ao Porto de Paranaguá, tem que terminar o Contorno de Cascavel, tem o Contorno de Maringá e a BR-272 de Iporã a Guaíra. E as ligações rodoviárias: não é possível que municípios ainda não tenham ligação com asfalto.
 

Qual será a sua primeira ação caso assuma o governo?
Colocar a casa em ordem. Saber o que temos de receita e o que temos de despesas, quem nós temos que pagar. Ter um quadro geral das finanças do estado e fazer um planejamento.
 

A sra. reduziria o número de funcionários comissionados e de secretarias?
Diminuiria já de cara o número de comissionados. Afastaria todo mundo, diminuiria os cargos e depois faria contratações. Mas não acho que diminuir secretarias por si só resolve o problema. Um exemplo é a Secretaria do Turismo. O Paraná é o segundo destino turístico do Brasil, depois do Rio, por causa das Cataratas. Acabamos com a Secretaria de Turismo, mas poderíamos aproveitar esse fluxo. Temos os cânions, Vila Velha. Não traríamos 100% dos turistas que vão para Foz, mas poderíamos trazer 30%, 40%. Tiramos um instrumento que tínhamos, que era para planejar, sob alegação de que estávamos fazendo a economia. Uma economia burra.
 

E em relação à política tributária?
Micro e pequenas empresas devem ter um tratamento diferenciado. Vamos efetivar a lei geral das micro e pequenas empresa aqui. Não é possível que a gente aprove no Congresso e os estados, através da substituição tributária, coloquem peso em cima das micro e pequenas empresas. Nós não vamos tributar microempresas. E para as pequenas vai ser simplificado, vamos levantar a fiscalização. Não é esse setor que dá arrecadação. Esse setor gera emprego e serviço. A reclamação hoje é muito grande.